Vacina de Oxford comprada na Índia vai custar R$ 56 milhões

Extra
·2 minuto de leitura

RIO - A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou nesta terça-feira que a importação da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Oxford/AstraZeneca e produzida pelo Instituto Serum, na Índia, custará US$ 5,25 a dose. Com isso, as 2 milhões de vacinas prontas que serão encomendadas custará cerca de R$ 56 milhões.

A expectativa da Fiocruz é fazer, ainda nesta semana, um pedido de autorização de uso emergencial da vacina à Anvisa.

Em nota, a fundação afirma que as tratativas com o Instituto Serum estão em estágio avançado e em andamento. Essa é aposta do governo de já começar a vacinação contra a Covid-19 no Brasil em janeiro.

As doses não fazem parte do contrato assinado no ano passado entre a AstraZeneca e o governo federal, que permanece sem alterações.


O documento prevê a compra de 100,4 milhões de doses de insumo farmacêutico ativo da vacina, além de uma licença à Fiocruz para a produção, distribuição e comercialização do imunizante. A expectativa é que sejam entregues 15 milhões de doses em janeiro, 15 milhões em fevereiro e o restante até julho de 2021.

Segundo o Ministérios da Saúde e o das Relações Exteriores, a Embaixada do Brasil em Nova Delhi está em contato permanente com autoridades indianas para "reforçar a importância do início da vacinação no Brasil e não há qualquer impedimento oficial por parte do governo indiano para a exportação dessas vacinas", diz a fundação.

O Instituto Serum, que é um dos centros capacitados pela AstraZeneca para a produção da vacina na Índia e o maior produtor de vacinas do mundo, confirmou a intenção de garantir acesso mundial a suas vacinas contra Covid-19.

Paralelamente às negociações para compra dessas vacinas, técnicos da Fiocruz e da AstraZeneca estiveram reunidos novamente com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta terça-feira, para discutir o pedido de uso emergencial das 2 milhões de vacinas prontas a serem importadas.

De acordo com comunidado da Fiocruz, o encontro tratou do detalhamento dos documentos que deverão ser apresentados no momento da submissão. "O objetivo do alinhamento é garantir que os dados sejam submetidos de acordo com os requisitos estabelecidos pela Agência, para que a avaliação ocorra o mais rapidamente possível", diz o texto.

A Fiocruz aguarda o recebimento de informações da AstraZeneca e do Instituto Serum relativas à produção e ao controle de qualidade da vacina para submeter formalmente o pedido de autorização de uso emergencial da vacina à Anvisa.