Vacina reduz em 83,7% infecção respiratória pelo VSR em idosos, anuncia Moderna

A farmacêutica Moderna anunciou nesta terça-feira que a vacina em estudos para o vírus sincicial respiratório (VSR) teve 83,7% de eficácia em idosos acima de 60 anos, público-alvo dos testes. Com isso, pretende submeter os resultados às agências reguladoras para um possível aval ainda no primeiro semestre de 2023.

Quer voltar a fazer atividade física? Especialistas dão 5 dicas; confira

Pesquisa de Stanford: O exercício de respiração por 5 minutos que melhora o humor e a ansiedade

O VSR é uma infecção respiratória comum, porém mais grave em crianças, quando é associada à bronquiolite infantil, e entre os idosos. De acordo com o InfoGripe, da Fiocruz, o vírus é um dos quatro mais prevalentes hoje no Brasil entre os causadores de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), junto com os Influenza A e B, da gripe, e o Sars-CoV-2, da Covid-19.

No último boletim da instituição, o VSR foi associado a 12,6% das síndromes. No entanto, ainda não há imunizantes aprovados para prevenir a doença.

"O VSR afeta significativamente a saúde de adultos mais velhos e de alto risco, principalmente aqueles com comorbidades. Este estudo ajudará a entender o papel das infecções respiratórias agudas graves em populações de adultos mais velhos e informará a futura implementação de vacinas em adultos em áreas com poucos recursos", disse Abdullah Baqui, investigador principal dos locais de estudo em Bangladesh e professor do Departamento de Saúde Internacional da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, em comunicado.

É real: Fungo da série ‘The Last Of Us’ existe no Brasil; conheça

A vacina utiliza a tecnologia de RNA mensageiro (RNAm) para induzir a resposta imune, mesma da aplicação para a Covid-19 da Pfizer e da Moderna. Para isso, ela atua como um manual de instruções que ensina as próprias células do corpo a produzirem determinada proteína. Essa proteína é então lida pelo sistema imunológico para criar as defesas. No caso da Covid-19, por exemplo, faz com que o corpo produza uma parte do coronavírus chamada Spike.

A dose para o VSR foi avaliada em cerca de 37 mil idosos em 22 países e foi considerada segura e eficaz. O CEO da Moderna, Stéphane Bancel, explica que, após o sucesso da proteção para a Covid-19, que tirou a plataforma de RNAm do papel, o laboratório está desenvolvendo uma série de vacinas com a tecnologia. Os testes em andamento incluem aplicações inéditas para o HIV e para o vírus da Zika, além de outras doenças respiratórias.

"As doenças respiratórias são uma grande prioridade de saúde pública, uma vez que têm um impacto significativo na saúde e são uma das principais causas de hospitalização. Por esses motivos, além de nossa vacina candidata mRNA-1345 (para o VSR), estamos comprometidos em desenvolver um portfólio de vacinas respiratórias de RNAm para atingir os vírus mais significativos que causam doenças respiratórias”, diz em comunicado.

Mulher descobre câncer após lesão ao fazer as unhas: Entenda o motivo e como preveni-lo

A farmacêutica pretende ainda dar início a testes com uma versão pediátrica do imunizante para o VSR, importante uma vez que o vírus tem grande impacto na população infantil. No ano passado, a Pfizer anunciou os primeiros dados de uma aplicação destinada a proteger os pequenos, porém aplicada nas gestantes durante o segundo e o terceiro trimestre da gravidez.

Com 7,4 mil mulheres nos testes, os resultados mostraram que a vacina foi 81,8% eficaz em prevenir infecções graves do trato respiratório inferior nos primeiros três meses de vida do bebê, e 69,4% nos primeiros seis meses. A vacina foi considerada bem tolerada, sem preocupações de segurança para as mães e seus recém-nascidos, e deve também ser submetida em breve à análise das agências reguladoras.