'Vacina de vento': técnica de enfermagem de Petrópolis pode ter aplicado seringa vazia para encobrir erro

Vera Araújo
·3 minuto de leitura

A técnica de enfermagem acusada de aplicar "vacina de vento" em uma idosa de 96 anos, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, pode ter praticado o ato para esconder um outro erro durante a vacinação. Essa é a principal linha de investigação da 105ª DP (Petrópolis) que apura o caso, ocorrido no último dia 12. De acordo com investigadores, foi feita uma minuciosa contagem nas doses contra a Covid-19, no posto de imunização em sistema drive-thru, instalado em um campus da Universidade Católica de Petrópolis, e não foi detectada nenhuma subtração de vacinas. Para a polícia, uma das hipóteses mais prováveis, portanto, é que, para justificar a perda de uma dose, talvez por imperícia, a técnica tenha simulado a aplicação da vacina na idosa.

O caso ganhou repercussão no fim de semana, depois que um vídeo circulou pelas redes sociais e mostrou a imagem da idosa dentro de um carro no momento em que a técnica lhe aplicava a agulha sem o líquido da vacina na seringa. No entanto, a profissional de enfermagem, ao prestar depoimento na última terça-feira na delegacia, não confirmou a sequência vista no vídeo. Ela disse aos investigadores que não percebeu a ausência da dose ao apertar o êmbolo.

— Ouvimos a técnica de enfermagem e todas as testemunhas que estavam no posto no dia do fato. Também estamos trocando informações com a prefeitura e outros órgãos para entender melhor a dinâmica da vacinação. As diligências estão em curso — explicou o delegado da 105ª DP, João Valentim, que aconselha as pessoas a procurarem o chefe do posto ou a delegacia, caso observem algo errado durante a vacinação.

Todos os procedimentos de vacinação foram revistos pela polícia no posto da prefeitura de Petrópolis. Como não houve desvio de vacina e o caso ainda está sob investigação, a técnica não foi indiciada. No momento, ela continua afastada pela secretaria de Saúde de Petrópolis. Um procedimento interno administrativo também foi instaurado pela prefeitura, no qual ela também já foi ouvida. Segundo o depoimento da profissional da área de Saúde, que é contratada pelo município, ela "não percebeu o problema" e assegurou que o ato "não foi intencional, mas sim um problema com a seringa".

A polícia continua cautelosa nas investigações. A técnica mora com a família, incluindo uma pessoa idosa, em bairro da Baixada Fluminense, vizinho a Petrópolis. Depois da divulgação do vídeo, que viralizou e chamou a atenção para o problema da "vacina de vento", a prefeitura de Petrópolis mudou o protocolo de vacinação contra a Covid-19 nos postos da cidade serrana. Os técnicos de enfermagem foram orientados a mostrar seringas cheias e, depois da aplicação, vazias. A prefeitura também está sugerindo que as pessoas fiquem atentas e ainda filmem e fotografem todo o procedimento de vacinação. Também pedem que as pessoas chequem o rótulo, observando, principalmente, a validade dos frascos. No Rio e em Niterói, também ocorreram casos semelhantes em que não houve a aplicação da vacina. Nesta última cidade, a polícia indiciou uma técnica de enfermagem por peculato e infração de medida sanitária. A profissional de Saúde não apertou o êmbolo da seringa ao atender um idoso de 90 anos, em um posto drive-thru da Universidade Federal Fluminense.