Vacinas contra a covid para todos em cidade de maioria hispânica nos EUA

Laurens Owens Lambert y Joseph Prezioso
·3 minuto de leitura
Una mujer recibe la vacuna de Moderna contra el covid-19 en la escuela secundaria Central Falls de esta pequeña ciudad de Rhode Island, el 13 de febrero de 2021

A maioria dos países que tem a vacina da covid-19 a aplica, por enquanto, somente em idosos e trabalhadores essenciais, mas nos Estados Unidos, uma pequena cidade com uma grande população hispânica já oferece doses para todos com mais de 18 anos de idade.

Central Falls, uma pequena cidade de Rhode Island com 20.000 habitantes, onde 66% são latinos - muitos deles imigrantes sem documentos - é um dos lugares mais fortemente povoados dos Estados Unidos e também um dos mais afetados pela pandemia do novo coronavírus.

O governo do estado de Rhode Island recomenda vacinar apenas grupos de risco, como trabalhadores essenciais e aqueles com mais de 75 anos de idade.

Mas Central Falls está fazendo as coisas do seu jeito e liberou todos os adultos para a vacinação.

"Cada pessoa que vive ou trabalha aqui é uma prioridade", anunciou a prefeita María Rivera à AFP recentemente, durante um dia de vacinação em massa.

O vírus se espalhou como um incêndio na unida comunidade de Central Falls, onde é comum que muitas famílias compartilhem uma única casa.

Central Falls tem a maior taxa de casos positivos para vírus e hospitalizações no estado de Rhode Island.

Desde janeiro, foram registrados mais de 3.500 casos, com 21 mortes e 190 internações.

Somado ao custo da saúde está o impacto econômico da pandemia.

"No início da covid (...) havia tantos moradores perdendo o emprego, e eles não tinham dinheiro e não podiam pedir compensação" porque não tinham documentos, lembrou Rivera.

Quando a vacina foi disponibilizada em dezembro, a cidade ofereceu a imunização para pessoas com mais de 75, depois aos com mais de 65, depois com mais de 50 e, finalmente, baixou o limite para 18 há algumas semanas.

- "Fiz o correto" -

"Se não resolvermos o problema (a partir de) onde está o problema, continuaremos a disseminar a doença", ressaltou Rivera.

Funcionários da prefeitura tem percorrido as casas de porta em porta para informar a população em espanhol e outras línguas - como o português cabo-verdiano - sobre a possibilidade de se vacinar.

Cerca de 13% da população da cidade é negra e muitos deles são originários deste arquipélago localizado na costa noroeste da África.

"Esta foi a primeira vacinação para o público em geral, provavelmente a primeira do país", conta Eugenio Fernández Jr., fundador da Asthenis, farmácia que atende comunidades carentes.

Quando a enfermeira Suzanne Wallace soube dos problemas em Central Falls, sabia que precisava se mostrar como voluntária para vacinar a população.

"Achei que essa era a coisa certa a fazer", explicou à AFP.

Uma das primeiras moradoras a ser vacinada na escola secundária Central Falls High School foi Angelica Romero, de 30 anos.

"Fiquei com muito medo de vir, vou ser sincero com você", disse Romero, cujo pai passou mais de três meses no hospital depois de pegar o novo coronavírus.

Foi sua mãe quem a inscreveu para ser vacinada.

"Estamos ansiosas para ter um ambiente o mais seguro possível para meu pai", explicou Romero à AFP.

strs-pdh/lbc/ll/bn