Vacinas russa e indiana podem chegar ao Brasil até março, diz Pazuello

Rodrigo Viga Gaier
·1 minuto de leitura
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no Palácio do Planalto

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta sexta-feira que as vacinas contra Covid-19 Sputnik, russa, e Covaxin, indiana, que são alvos de negociação da pasta, podem chegar ao Brasil até março para colaborar com a vacinação contra a doença no Brasil.

Ele garantiu que o governo do presidente Jair Bolsonaro usará todo o cardápio de vacinas que estiver disponível para combater o novo coronavírus, que já matou quase 230 mil pessoas no Brasil.

"Não é com Oxford/Astrazeneca que vamos buscar a solução para a pandemia. Temos contrato com Butantan de 100 milhões de doses até o meio do ano. Continuamos avançando negociações com outros laboratórios... Todas elas estão na prateleira de negociações", disse o ministro ao participar da cerimônia de lançamento de um edital para construção de um complexo industrial da Fundação Oswaldo Cruz, que deve entrar em operação em 2025.

Sobre a Sputnik, Pazuello disse que teve encontros com representantes da vacina russa e que as conversas estão no estágio de tomada de preços. Também há tratativas com o laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da vacina Covaxin.

"Essa duas vacinas representam a possibilidade de entrega em fevereiro e março de mais 30 milhões de doses de vacina", afirmou.