“Vai na Fé”: Emílio Dantas promete novo cafajeste “mais divertido que Rubinho”

Ator viverá empresário de caráter questionável na próxima novela das sete

Emílio Dantas em
Emílio Dantas em "Vai na Fé". Foto: João Miguel Júnior/Globo

Resumo da notícia:

  • Emílio Dantas compara Rubinho a novo cafajeste na Globo

  • Ator viverá empresário de caráter questionável na próxima novela das sete

  • "Vai Na Fé" estreia na TV em 16 janeiro

Cinco ano após fazer o público amar odiá-lo em "A Força do Querer" (2017), Emílio Dantas supera Rubinho com um novo cafajeste: o empresário Theo. Em "Vai na Fé", próxima novela das sete da TV Globo, o ator encarnará um homem de sucesso, que esconde uma personalidade sem escrúpulos.

Enquanto Rubinho era o criminoso que arrastou a apaixonada Bibi (Juliana Paes) para a máfia do tráfico e a traiu com a novinha Carine (Carla Diaz), Theo será casado com Clara (Regiane Alves) por aparências. Eles vivem um relacionamento abusivo com um filho distante por desaprovar as atitudes do pai e uma esposa usada de "laranja" da empresa de exportação e importação.

“É um aproveitador. É um cara que tem a fé no caos. E ele vive uma p*** saudade do passado. Gostava do imbróglio de ir pro baile funk, sair da Zona Sul, dar em cima das meninas do baile, principalmente das que já têm namorado. O negócio dele é a algazarra", definiu Emílio em entrevista coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (6). "Ele não sabe onde buscar o afeto e nem onde entregar e fica preso na única referência de felicidade que ele teve, que foi o passado da vida sem regras".

Rubinho x Theo

Questionado sobre as semelhanças entre Rubinho e Theo, Emílio fez sua avalição dos personagens de caráter duvidosos. “O que eles têm de semelhança é esse alpinismo de querer, a todo custo, se dar muito bem. Enfim, o mal do século", afirmou.

“A diferença deles é justamente o mood, o Rubinho era bem introspectivo, não dividia muito os planos dele, não tinha muita paixão pelos amigos. Era um cara mais frio e calculista", explicou. “O Theo é ansioso, louco, atira para tudo quanto é lado. É um cara bem para fora. Apesar da vontade de crescer ser igual aos dois, ele tem um lado bem diferente do Rubinho", completou.

O ator ainda ressaltou que a melhor parte do novo trabalho é fazer um vilão mais expressivo. "É um negócio que eu não tinha feito ainda. Está muito legal mesmo. Principalmente, por conta do texto da Rosane, de toda a galera. Vai ser mais divertido do que o Rubinho”, garantiu.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Relacionamento abusivo

No mesma entrevista, Regiane Alves adiantou um pouco do drama do casal que será apresentado ao espectador. "Ela é uma laranja dentro da história do trabalho do Theo. É uma mulher de uma família rica do Rio. Ele coloca ela na situação sem saber e ele não pode acabar o casamento, porque usa o nome dela no trabalho", detalhou.

A atriz disse que se questionou, junto com Emílio, sobre o destino que os personagens iriam tomar, uma vez que hoje há mais liberdade para separações e novos relacionamentos. "Mas a gente achou que tinha essa doença do tesão da provocação, de achar que é aquilo que nutre. Existe a culpa dela, do filho que não sai do quarto. É como se estivesse flutuando naquela casa, não consegue saber para onde vai. Às vezes, o que o cara fala é lei. É muito difícil sair de uma relação assim", refletiu.

Emílio acredita que o casamento é encarado como uma empresa para o seu personagem. "O Theo não ama nada. Ele ama ele próprio. É uma relação que já acabou, já entrou em um lugar nebuloso que você não sabe o que é afeto. Aquele comentário que soa honesto demais, que você não sabe se está vindo para o bem ou mal", declarou. "Ele simplesmente administra a relação, usando a Clara. Ele tem, no pior sentido da palavra, uma esposa e um filho, mas não participa da vida deles".