"Vai sem máscara pro shopping e não pode vir pra CPI", diz senadora após Pazuello entrar em quarentena

Anita Efraim
·4 minuto de leitura
A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) disse que as mulheres têm
A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) questionou jusitificativa de Eduardo Pazuello para não depor na CPI da Covid (Foto: Agência Brasil)
  • Ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello não deve comparecem à CPI da Covid na quarta-feira

  • Senadora Eliziane Gama questionou justificativa de Pazuello, que teve contato com pessoas com covid-19

  • Ex-ministro foi a um shopping em Manaus sem máscara

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello não deve comparecer à CPI da Covid no Senado na próxima quarta-feira (5). A explicação é que auxiliares dele foram diagnosticado com covid-19 e Pazuello teria tido contato próximo com eles. Por isso, o ex-ministro teria de entrar em quarentena. 

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) questionou a justificativa de Eduardo Pazuello. "Vai sem máscara pro shopping e não pode vir pra CPI", comentou, após o anúncio de que o ex-ministro não participaria. 

Ela se referia ao episódio em que Pazuello foi visto em um shopping em Manaus, no Amazonas, sem máscara. Na ocasião, uma frequentadora do shopping chamou atenção do ex-ministro, que perguntou: "Onde compra isso?". 

Leia também

Discussão com Flávio Bolsonaro 

Eliziane Gama é a mesma senadora que discutiu com Flávio Bolsonaro, quando o senador questionou a presença das mulheres na CPI da Covid

"Acho que as mulheres já foram mais respeitadas e mais indignadas, né? Estão fora da CPI e não fazem nem questão de estar nela, se conformam em acompanhar os trabalhos à distancia", disse o filho do presidente Jair Bolsonaro durante sessão do Senado. 

"Senador Flávio, quero dizer à Vossa Excelência: chegar empurrando a porta, batendo o pé na porta, gritando não é a única forma de se indignar. As mulheres têm, aliás, com muita eficiência, se indignado, inclusive agora em relação a essa inação do governo federal na pandemia", respondeu.

 "Quero dizer que eu, Eliziane Gama, e nenhuma das senadoras vamos admitir ironia machista. Estamos aqui, vamos participar ativamente e teremos o nosso protagonismo nesta Casa. Nenhum homem, nem aqui e em lugar nenhum, enquanto houver as mulheres presentes, que, aliás, são a maioria da população brasileira, vai tentar calar a voz de uma mulher", disse a senadora. 

Sobre a CPI da Covid no Senado

O que deve ser investigado pela CPI

  • Ações de enfrentamento à Pandemia, incluindo vacinas e outras medidas como a distribuição de meios para proteção individual, estratégia de comunicação oficial e o aplicativo TrateCOV;

  • Assistência farmacêutica, com a produção e distribuição de medicamentos sem comprovação

  • Estruturas de combate à crise;

  • Colapso no sistema de saúde no Amazonas;

  • Ações de prevenção e atenção da saúde indígena;

  • Emprego de recursos federais, que inclui critérios de repasses de recursos federais para estados e municípios, mas também ações econômicas como auxílio emergencial.

Quem é o relator da CPI, Renan Calheiros

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai apurar eventuais omissões do governo federal no combate à pandemia terá como relator o senador Renan Calheiros (MDB-AL). O colegiado será presidido por Omar Aziz (PSD-AM) e o vice-presidente será o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Crítico ao governo Jair Bolsonaro, Renan Calheiros será responsável por dar o rumo aos trabalhos e produzir o texto final, que pode ser encaminhado ao Ministério Público e a outros órgãos de controle.

É um dos nomes mais antigos no Senado brasileiro. Ele está há 26 anos na Casa e tem mandato até janeiro de 2027. Foi três vezes presidente do Senado, além de ministro da Justiça no governo FHC. É pai do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB).

Crítico ao governo de Jair Bolsonaro, nesta semana, Renan Calheiros defendeu que o MDB apoie o ex-presidente Lula na eleição presidencial de 2022.

Como vai funcionar a CPI no Senado

O que diz a Constituição?

A Constituição estabelece que são necessários três requisitos para que uma CPI possa funcionar: assinaturas de apoio de um terço dos parlamentares da Casa legislativa (no caso do Senado são necessários 27 apoios); um fato determinado a ser investigado; e um tempo limitado de funcionamento.

Quanto tempo pode durar uma CPI?

Depende do prazo que o autor do requerimento estipular. No caso da CPI da Covid, o prazo inicial é de 90 dias, conforme requerimento do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) de 15 de janeiro.

Quais os poderes de uma CPI?

Poderes de investigação próprios dos juízes, além de outros previstos nos regimentos das respectivas Casas. No Senado, os membros da CPI podem realizar diligências, convocar ministros de Estado, tomar o depoimento de qualquer autoridade, inquirir testemunhas, sob compromisso, ouvir indiciados, requisitar de órgão público informações ou documentos de qualquer natureza e ainda requerer ao Tribunal de Contas da União a realização de inspeções.