Valdemar se culpa por não ter preparado Bolsonaro para a derrota

*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 01.11.2022 - O presidente da República e candidato derrotado à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), chega para pronunciamento 45 horas após o resultado das urnas, dentro do Palácio da Alvorada. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 01.11.2022 - O presidente da República e candidato derrotado à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), chega para pronunciamento 45 horas após o resultado das urnas, dentro do Palácio da Alvorada. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, confidenciou a interlocutores que se culpa por não ter preparado o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para a derrota.

Segundo relata, ambos estavam tão seguros da vitória que não discutiram um plano sobre como proceder caso Luiz Inácio Lula da Silva (PT) levasse a melhor.

Depois do resultado, Bolsonaro caiu em um estado de depressão, manteve em volta poucos aliados e quase não se manifestou.

O ex-presidente foi convencido a fazer um pronunciamento reconhecendo a vitória do adversário somente 45 horas após o segundo turno. O pedido foi para que ele ajudasse a desmobilizar os bloqueios de caminhoneiros nas rodovias.

Conselheiros por mais de uma vez pediram para ele se dirigir aos apoiadores acampados nos quartéis do Exército. "Dizer o quê?", respondia Bolsonaro.

Havia um receio de aliados mais próximos de que a reclusão de Bolsonaro dificultasse que ele assumisse a liderança da direita e da oposição ao atual governo, permitindo que sua gestão fosse atacada se defesa.

Valdemar, no entanto, não acredita que os 58 milhões de votos dados ao ex-presidente se dispersaram e conta com esse eleitorado para engrossar o número de prefeituras comandadas pelo partido.