Vale começa eliminação de dique da Mina Águas Claras, em Nova Lima

·3 min de leitura

A Vale começou hoje (20) a descaracterização de uma das cinco estruturas a montante previstas para serem eliminadas ainda em este ano. A primeira é a do Dique Auxiliar da Barragem 5, na Mina Águas Claras, em Nova Lima, Minas Gerais, que desde o ano 2000 não recebe rejeitos. Segundo a companhia, com o término dos trabalhos no fim do ano, o Dique será uma das 12 estruturas alteadas a montante da empresa, já eliminadas no Brasil.

“A eliminação de todas as barragens a montante da Vale é um dos pilares do princípio de garantia de não repetição de rompimentos como o de Brumadinho, tendo como prioridade, sempre, a segurança das pessoas e cuidados com o meio ambiente”, informou a empresa.

Segundo a Vale, tanto o Dique Auxiliar como a Barragem 5 estão, atualmente, em Nível de Emergência 1 do Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM). As duas estruturas são monitoradas permanentemente pelo Centro de Monitoramento Geotécnico da Vale.

A companhia construiu, preventivamente, em março, um reforço para dar maior estabilidade à estrutura durante o processo, que pode ter um aumento de riscos durante as obras de descaracterização. Foi definido também que, em caso hipotético de ruptura, todo o rejeito, calculado em cerca de 2,2 milhões de metros cúbicos, fique contido dentro da Barragem 5, evitando qualquer dano às pessoas ou ao meio ambiente da região.

“Para reforçar a segurança dos trabalhadores, ainda que não haja proibição de acesso à estrutura, a Vale, conservadoramente, definiu que as atividades de escavação e movimentação do rejeito serão realizadas com equipamentos não tripulados, operados remotamente. A tecnologia foi desenvolvida pela empresa em conjunto com fornecedores. A previsão de conclusão dos trabalhos é em dezembro deste ano”, revelou.

O planejamento prevê que as obras ocorrerão em área interna da empresa e todo o transporte de materiais e equipamentos será feito por meio de acessos internos, para evitar impactos nas vias locais. As estimativas apontam que os trabalhos no Dique Auxiliar devem gerar cerca de 130 empregos, entre trabalhadores diretos e terceirizados. A Vale afirma que prioriza a contratação de mão de obra local.

Programa

Desde 2019, das 30 estruturas a montante mapeadas que passarão pelo processo, sete foram eliminadas (quatro em Minas Gerais e três no Pará). Segundo a empresa, o número corresponde a praticamente 25% do seu Programa de Descaracterização. “Para este ano, está prevista a conclusão das obras e a reintegração ao meio ambiente de mais cinco estruturas. Com isso, a Vale prevê encerrar 2022 com 40% das suas estruturas a montante eliminadas. Isso significa que 12 de 30 barragens mapeadas já estarão descaracterizadas”, acrescentou.

Os Diques 3 e 4, da barragem Pontal; a barragem Ipoema, em Itabira; e a Barragem Baixo João Pereira, em Congonhas, são as outras estruturas com previsão de conclusão das obras de descaracterização neste ano. A atualização mais recente do Programa de Descaracterização mostra que 90% das barragens a montante serão eliminadas até 2029 e 100% até 2035.

“As estruturas cujos prazos para término da descaracterização são mais extensos referem-se àquelas de maior risco, mais complexas e que envolvem um volume de rejeitos maior. A Vale reforça que as obras de descaracterização estão sendo realizadas de forma cautelosa e reafirma seu compromisso de transparência e atuação focada na segurança das pessoas e do meio ambiente”, completou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos