Vale mais a pena pagar IPTU e IPVA à vista ou parcelado? Especialistas explicam

As guias do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), para quem tem imóvel próprio ou mora de aluguel, e de Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores e Terrestres (IPVA), começam a chegar em janeiro e logo surge a dúvida: é melhor pagá-las à vista ou de forma parcelada? Economistas ouvidos pelo EXTRA esclarecem a questão. Para Graziela Fortunato, especialista em finanças pessoais, é preciso, antes de qualquer coisa, observar os descontos oferecidos pelos governos em cota única e avaliar se a pessoa tem condições de quitar essas obrigações à vista.

No caso do IPVA, no Rio, a exemplo dos anos anteriores, o valor poderá ser pago de uma vez, com desconto de 3%, ou dividido em três parcelas, sem abatimento. A primeira data de vencimento será no dia 23 deste mês, para automóveis com final de placa 0.

Também é preciso levar em conta que, neste ano, o IPVA será mais caro, em razão do aumento de preços dos carros ao longo dos últimos 24 meses, de acordo com Leonardo Meirinho, diretor da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto).

Para o cálculo do valor do imposto, são considerados os valores dos automóveis em setembro e outubro do ano anterior, conforme a Tabela Fipe. O IPVA corresponde a 4% desse preço de mercado (para carros flex), 3% (para utilitários), 2% (para motos) 1,5% (para veículos a GNV) e 0,5% (para automóveis exclusivamente movidos a energia elétrica):

— O estado tem uma alíquota, que é um percentual fixo sobre o valor de referência do carro e que varia entre os veículos que têm GNV ou são elétricos, por exemplo. Como usam o valor de mercado do último ano (no cálculo do imposto), o IPVA reflete o aumento dos automóveis. No Rio, a alta foi em torno de 10%. Então, o IPVA será mais caro por conta da variação dos preços dos carros.

Para o IPTU do Rio, os contribuintes terão até o dia 7 de fevereiro para pagar a cota única ou a primeira parcela do imposto, que pode ser dividido em até dez vezes. Quem optar pelo pagamento à vista garantirá o desconto de 7%.

— Assim, é bom pagar o IPTU de uma vez só e aproveitar o desconto. No caso do IPVA, que tem possibilidade de pagamento em três meses, o desconto deve ser de, ao menos, 1,70%. Então, como oferecem 3%, também vale a pena pagar à vista — disse a professora da Escola de Negócios da PUC-Rio: — Mas é importante ressaltar que, se a pessoa não tem o dinheiro para pagar de uma vez, não vale a pena se endividar para isso.

Para chegar a esta conclusão, a economista considerou que o contribuinte tenha dinheiro suficiente para pagar o imposto à vista ou aplicá-lo em 100% do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), ou seja, num Certificado de Depósito Bancário (CDB) mais “conservador”, como o dos bancos mais tradicionais.

Ela ainda considerou no cálculo o rendimento da Selic atual (que é de 13,75% ao ano), e descontou o Imposto de Renda. Diante disso, a quitação dos impostos em cota única se mostrou mais vantajosa do que o ganho mensal com a aplicação.

Cristiano Machado, de 49 anos, começou a trabalhar como motorista de Uber na pandemia, quando perdeu o emprego como bancário. Hoje, ele mora com a mulher e a filha de 11 meses no Cachambi, na Zona Norte do Rio, e depende do carro como fonte de renda. O IPVA e o IPTU serão pagos parceladamente, pois suas despesas mensais já são quitadas “no limite”:

— Antes, eu pagava de uma vez, mas perdi o emprego e não consegui mais me planejar. Acho ruim o aumento dos impostos neste ano. Agora que estamos começando a sair do sufoco da pandemia, este aumento quebra qualquer um.

O economista Ricardo Macedo explica, também, os efeitos da inflação, que reduz o poder aquisitivo. Para compensar a perda, a pessoa pode aplicar o dinheiro em algo que remunere a taxa de juros. Para isso, deve perguntar: quanto é necessário para pagar o imposto à vista? E se este valor estiver numa aplicação?

— Dependendo do patamar de juros, vale a pena ou não. Hoje, a taxa de juros que temos de remuneração, no caso (dos valores) de IPVA e IPTU, não vai influenciar tanto (valendo mais a pena pagar os impostos em cota única). Mas só vale a pena pagar à vista quem tem dinheiro. A única coisa que não é recomendado, pelo patamar de juros que se tem hoje, é realizar um financiamento para honrar a dívida.

A guia do IPVA para motoristas do Estado do Rio estará disponível para emissão a partir desta semana (dia 10). O pagamento deverá feito por meio da Guia de Regularização de Débitos (GRD), que poderá ser emitida pelo site do Bradesco (www.bradesco.com.br). Se o contribuinte acessar Portal do IPVA da Secretaria de estadual de Fazenda (https://portal.fazenda.rj.gov.br/ipva/), também será remetido para a página do banco.

Nno site do Bradesco, no menu à esquerda, o interessado deverá selecionar “Produtos e serviços”. Em seguida, será necessário clicar em “Serviços”. Uma nova tela será aberta. Nela, o motorista deverá escolher “Pagamentos'”. Ao rolar essa tela, dentro da opção "Tributos", a pessoa deverá selecionar “DETRAN RJ, GRD, DUDA, GRT e GRM”. Por fim, basta rolar a tela novamente e clicar em “Gerar boleto”.

Na nova tela exibida, o motorista deverá selecionar GRD (IPVA), no canto superior esquerdo. Depois, será preciso informar o número do Renavam do veículo, o CPF ou o CNPJ e digitar o texto da imagem ao lado. Após clicar em “Continuar”, basta selecionar o pagamento em cota única ou da primeira parcela.

*Sob supervisão de Luciana Rodrigues