Valentina Bulc sobre assédio: 'Os homens brancos acham que podem tudo'

·1 minuto de leitura

Aos 21 anos, Valentina Bulc está em êxtase por ter concluído com louvor a novela "Salve-se quem puder". "O arco da Bia é muito bonito porque ela se aceitou, diz, sobre a sua personagem.

Na vida real, Valentina vem passando por altos e baixos na pandemia. "Ninguém está atravessando ileso. Já vivi diversas fases, me dediquei à faculdade de Cinema, comprei plantas e também sofri de ansiedade", confessa. "Ter de me segurar em casa foi a maior dificuldade, voltar a trabalhar me ajudou muito, assim como praticar exerícios em casa. Estou louca para tomar a vacina e voltar a treinar numa academia", diz. Enquanto isso, ela filma o curta "Encontros e reencontros", de Guilhermo Marcondes. "Estamos seguindo todos os protocolos de segurança. Um rupo de amigos se reuniu com a cara e a coragem e decidiu fazer cinema nesse período."

Valentina também revela ter ficado "viciada em celular". "Estou fazendo um detox digital agora. Deixo o aparelho em outro quarto para me desconectar".

Nesse período, ela reflete sobre temas como feminismo e quebra de padrões de beleza."É muito importante termos cada vez mais representatividade. Eu, por exemplo, sou o estereótipo do padrão de beleza eurocêntrico. Sempre me incomodou ser 'privilegiada' por achar que o mundo me trata melhor por causa disso."

Sobre o assédio, comenta: "Está em todos os aspectos de ser mulher. Em festas, os homens brancos acham que podem tudo. Mas vejo esperança no futuro. Meu irmão de 11 anos já tem outra maneira de pensar."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos