Valentina, filha de Tadeu Schmidt que se assumiu queer, celebra um ano de namoro

Valentina, filha de Tadeu Schmidt que se assumiu queer, celebra um ano de namoro (Foto: Reprodução/Instagram/@valentinaschmidt)
Valentina, filha de Tadeu Schmidt que se assumiu queer, celebra um ano de namoro (Foto: Reprodução/Instagram/@valentinaschmidt)

Valentina Schmidt, filha de Tadeu Schmidt, apresentador do "Big Brother Brasil", celebrou um ano de namoro com o estudante de psicologia Christiano Donnelly Vaz em suas redes sociais:

"1 ano. 365 dias. 525600 minutos com você! Obrigada por ser o melhor companheiro do mundo e por cada alegria que você me traz todos os dias. Feliz dia 7 pra gente!", comemorou a jovem, que é atriz e já foi prestigiada pelo pai no teatro. Nos comentários, o namorado respondeu: "Será o primeiro de muitos anos juntos!! Te amo!!", declarou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O que é "queer"?

Membro da comunidade LGBTQIA+, Valentina revelou, em 2021, que se identifica como "queer", para se relacionar com outras pessoas e em sua vida afetiva. Mas o que signfica o termo e como ele se insere na comunidade?

Em publicação no Instagram, feita no dia do orgulho LGBTQIA+, a jovem explicou o significado do termo ao usando a sua própria experiência com a sexualidade. "Por anos, tive muita dificuldade em me aceitar e me amar e isso bloqueava, de certa forma, meu amor por outras pessoas", diz em um trecho.

"Sou 'queer', ou seja, no meu caso, minha orientação sexual e atração emocional não correspondem à heteronormatividade", completou. "Eu me amo e amo todes [linguagem neutra] vocês. Essa sou eu. Simples assim", acrescentou Valentina, que se identifica com os pronomes ela/dela como mulher.

O detalhe é que o termo "queer", traduzido como "estranho" em português, foi escolhido por representar uma forma de se relacionar diferente do que a estrutura heterossexual impõe na sociedade e é mais utilizado fora do Brasil.

"São aqueles que não se identificam com o 'G' de gay, por entenderem que ser gay traz agora uma série de significâncias diferentes. Algumas pessoas associam a um padrão de gay, o homem branco, cisgênero, classe média. E querem se distanciar desse estereótipo", declarou André Fischer, Diretor do Centro Cultural da Diversidade, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, ao UOL.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Reação do pai à sexualidade

Durante o programa "Papo de Segunda", do canal GNT, Tadeu revelou a sua reação quando soube da sexualidade da filha: "Pra mim não mudou absolutamente nada. Não posso nem dizer que eu a acolhi porque foi um dia como outro qualquer. Continuamos nos amando do mesmo jeito, minha filha continua sendo a mesma", resumiu.

Segundo o jornalista, a única preocupação foi com o que os conservadores pensariam sobre seus posicionamentos após a exposição de Valentina.

"Se tem uma coisa que eu lamentei é que quando a Valentina faz essa declaração, o conservador vai dizer ‘a filha do Tadeu é meio assim, por isso ele fica defendendo essas coisas’. Eu já defendo isso há muito tempo. E sendo a minha filha não mudou nada, que ela seja feliz do jeito que ela quer", continuou.

Tadeu pontuou que sempre foi aberto ao diálogo na criação das filhas. Valentina nunca precisou comunicar aos pais que não é heterossexual. Ela publicou sobre a sua orientação nas redes sociais quando se sentiu à vontade e não recebeu nenhum tipo de "puxão de orelha" da família por isso.