Valesca Popozuda rebate reclamação de “ódio no Twitter” de Arthur Nory: “Ninguém passa pano mais”

·2 minuto de leitura
Nory disputará em Tóquio sua segunda Olimpíada - Foto: Patrick Smith/Getty Images
Nory disputará em Tóquio sua segunda Olimpíada - Foto: Patrick Smith/Getty Images

Diretamente de Tóquio, onde está para a disputa da Olimpíada, Arthur Nory foi rebatido pela funkeira Valesca Popozuda após uma publicação no Twitter. O ginasta reclamava do excesso de “ódio” na rede social.

Em postagem feita na noite da última terça-feira (horário de Brasília), Nory questionou se “é normal tanto xingamento, ódio e desejar o mal aqui no Twitter”.

Leia também:

O desabafo foi resultado de críticas recebidas pelo ginasta por um episódio de racismo, do qual foi protagonista em 2015. Na ocasião, ele e seus colegas Fellipe Arakawa e Henrique Flores proferiram ofensas raciais contra o também ginasta Angelo Assumpção.

“Se o celular funciona, é branco. Se estraga, é que cor? Preto. Saquinho de supermercado? Branco. E o de lixo? Preto”, disseram os três ginastas em um vídeo, no qual Angelo aparece visivelmente contrariado, publicado nas redes sociais na época.

Sabedora do ocorrido, a cantora Valesca Popozuda não deixou por menos e rebateu o desabafo feito por Nory no Twitter.

“Quando a gente erra, é melhor assumir o erro e pedir desculpas. Porque aqui no Twitter ninguém passa pano mais não. Vamos melhorar o discurso e assumir os erros. Beijos e boa sorte”, escreveu.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O ginasta, então, respondeu a funkeira. “Eu errei e eu assumi. Paguei por ele e, até hoje, pago por isso! Nunca escondi meu erro e sempre busquei conhecimento para me tornar uma pessoa melhor. Eu não sou o mesmo de 5 anos atrás. Veja meu canal do YouTube, veja minhas postagens no Instagram.”

Aos 27 anos, Nory disputará em Tóquio sua segunda Olimpíada, após ser bronze no Rio em 2016, no solo. Já Angelo Assumpção foi dispensado do clube onde atuava, o Pinheiros, de São Paulo, após ter denunciado casos de racismo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos