Valesca Popozuda relata encontros com Lula e emoção de cantar hoje na posse: 'Vai ter muito popô girando'

Uma das atrações da posse de Lula hoje em Brasília, Valesca Popozuda promete botar todo mundo para “balançar o popô” quando subir ao palco, às 3h10 da madrugada, no Festival do Futuro, na Esplanada, encerrando os festejos. Será um reencontro da funkeira carioca com o atual presidente, que foi homenageado por ela em seu ensaio na “Playboy”, em 2012. Na época, a cantora deu o que falar ao beijar, nua, uma foto do político. Antes, ela lançou “O funk do Lula”, brincando com um encontro casual que eles tiveram no Complexo do Alemão, no Rio, durante uma visita do presidente, em 2009.

De lá pra cá, o país mudou muito, e os dois se reencontraram mais uma vez, no ano passado, quando Valesca pediu a Lula “que cuidasse do povo e dos mais pobres”. A relação estreitou, e a artista foi convidada para fazer um show na grande festa da democracia, onde se apresentará também nomes como Pabllo Vittar, Duda Beat, Gaby Amarantos, Maria Rita, Martinho da Vila, Chico César, Teresa Cristina, entre muitos outros. “Vai ter funk na posse, sim!”, avisa Popozuda. E como a mesma costuma dizer : “Beijinho no ombro para as inimigas”.

Como está o coração para esse show de hoje?

Estou muito ansiosa e preparando uma apresentação contagiante, para agitar mesmo o público. Acho que a emoção vai pegar a todos os presentes. Não tem como não se emocionar.

Quais músicas você pretende cantar? Vai ter algum “proibidão”?

Estamos vivendo um momento muito especial. Quero levar alegria e diversão para essa apresentação e comemorar junto ao povo brasileiro. Vai ter muito funk, claro, meus maiores sucessos e o aclamado “Funk do Lula”, que não pode ficar de fora.

Como surgiu o convite para se apresentar na posse? Você falou diretamente com Lula?

Conheci o Lula no Complexo do Alemão. Isso lá em 2009, e foi muito marcante para mim. Não à toa desse encontro surgiu o “Funk do Lula”. Quando ele entrou para o Twitter, eu fui uma das primeiras contas a ser seguida por ele… Ano passado, estive pessoalmente com ele e a Janja (mulher do presidente). Foi muito especial. E o convite veio pela equipe dele. Estou muito feliz e animada para essa apresentação, que será histórica.

Qual a importância de ter uma funkeira do subúrbio carioca se apresentando na posse do presidente e de fazer parte deste momento do país?

Sinto que estou ali representando a voz das mulheres, das mães, dos moradores de comunidades… Sou da favela, estou ali representando o povo. Quero levar alegria e diversão para esse momento de comemoração. Representar o funk e colocar todo mundo para dançar.

Vamos ter o “popozão“ de Valesca exposto na posse? Como será seu figurino?

O figurino será uma surpresa. Mas posso adiantar que está incrível! Será um look confortável, porque vai ter muito popô girando (risos).

Em 2012 você causou polêmica ao fazer uma homenagem a Lula na “Playboy” e também fez uma música para o presidente. Tem uma nova homenagem vindo por aí?

Olha, muita gente vem pedindo uma atualização do Funk do Lula… Quem sabe? Esse será um ano com muitos lançamentos, não tenho nada definido nesse sentido, mas tudo pode acontecer (risos).

O que você e Lula conversaram?

Sempre peço para ele cuidar do povo. Zelar pelas nossas crianças e pelas famílias brasileiras. Peço para ele governar paro o povo e sempre criar oportunidades para os mais pobres.

Já passou pela sua cabeça entrar para a política?

Não. Mas como artista entendo que também tenho um papel importante que acaba influenciando meu público em diversas questões, até mesmo na política. Faço questão de expor minhas opiniões, de criar um canal de troca.

Imaginando que você fosse presidente do Brasil. Quais seriam as suas causas/lutas e o que você mudaria no país?

Meu foco seria investir em educação, saúde e geração de renda para todos, principalmente para os mais pobres. Iria focar em diminuir as desigualdades que existem.

Você sempre exaltou a liberdade da mulher e, recentemente, falou sobre sua bissexualidade. Ainda sente muito preconceito por ser mulher livre nesse país?

Enquanto houver julgamentos, o preconceito sempre vai existir. O que não podemos fazer é baixar a cabeça.

Que Brasil você espera ver nos próximos quatro anos?

Um Brasil justo para todos, com a saúde e educação recebendo atenção máxima.

Mudando de assunto... Passou a virada do ano solteira?

Sim. O Carnaval está chegando, não é? Vou colocar o “popô” para girar (risos).

Quais são os seus pedidos para este ano que se inicia?

Saúde é o que sempre peço. Enquanto eu tiver saúde, tenho forças para lutar e correr atrás dos meus sonhos e objetivos.

E os projetos para 2023?

Estou 100% focada na minha carreira e já tenho o primeiro semestre praticamente desenhado. Já começo o ano com música nova, um feat com o cantor Márcio Victor Psirico. Ainda tem os ensaios do Carnavalesca, o qual rolou a primeira edição em dezembro e foi um sucesso de público. Também vou começar a por em prática o projeto do meu DVD e fazer muitos shows pelo Brasil. Vai ser um ano incrível, não tenho dúvidas. Desejo um feliz 2023 para todos.