Valor do aluguel fica mais caro em São Paulo no mês de outubro

Extra
·2 minuto de leitura
Foto: Marcos Alves
Foto: Marcos Alves

No mês de outubro, o valor dos contratos de locação residencial fechados na cidade de São Paulo subiu 0,60% em relação a setembro. Esse foi o resultado da Pesquisa de Valores de Locação Residencial, divulgada pelo Secovi-SP.

Entre novembro de 2019 e outubro de 2020, o levantamento apontou ligeiro aumento de 0,64%, percentual bem abaixo do IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), medido pela Fundação Getúlio Vargas, que registrou 20,93% em igual período. .

Adriano Sartori, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP, analisa que, apesar do IGP-M ser utilizado em 90% dos contratos, há um descolamento entre o índice e o valor médio dos aluguéis no acumulado dos últimos 12 meses.

Sartori ainda afirma que os imóveis maiores – com três quartos – foram os que tiveram as maiores variações de preço: 1,80%, seguidos dos imóveis de um dormitório, que registraram variação de 0,50%. O valor do aluguel das residenciais de dois quartos cresceu apenas 0,30%, em média.

Leia também: Um em cada cinco brasileiros mora em habitação precária, como casas de madeira ou sem banheiro

Um imóvel de três quartos na Zona Norte, em bom estado, possui aluguel médio por m² de R$ 18,53, enquanto os com conservação regular R$ 16,37. Uma moradia de 90 m² nessa região tem sua locação entre R$ 1.473,30 e R$ 1.667,70. Já nos bairros da Zona Sul, como Jardins, Moema e Vila Mariana, os aluguéis de imóveis de dois quartos, em bom estado, possuem valores médios de R$ 37,14 por metro quadrado de área útil ou construída e os imóveis em estado regular R$ 34,29. Assim, um imóvel com área em torno de 70 m² na região tem aluguel entre R$ 2.400,30 e R$ 2.599,80.

Responsável por quase metade (47%) dos contratos, o fiador foi o tipo de garantia mais frequente em outubro. No entanto, o depósito de até três meses de aluguel também foi bastante utilizado no mês: 37% dos locatários preferiram essa modalidade de garantia. O seguro-fiança foi a última opção. Apenas 16% dos contratos de locação foram firmados com base nesse instrumento jurídico.

O Índice de Velocidade de Locação, que avalia o número de dias que se espera até que se assine o contrato de aluguel, indicou que o período de ocupação foi de 29 a 86 dias. Os imóveis alugados mais rapidamente foram as casas e os sobrados: 29 a 57 dias. Os apartamentos tiveram um ritmo de escoamento mais lento: 33 a 86 dias.