Valor da cesta básica sofre inflação em janeiro e chega a R$ 713,86

·2 min de leitura
Cesta básica novamente sofre inflação em janeiro, valor chega a R$ 713,86
Cesta básica novamente sofre inflação em janeiro, valor chega a R$ 713,86
  • A cesta básica sofreu inflação em 16 das 17 capitais analisadas por estudo no mês de janeiro;

  • As três maiores altas foram registradas em Brasília (6,36%), Aracaju (6,23%), João Pessoa (5,45%);

  • São Paulo, por sua vez, foi a capital com o maior custo absoluto no valor de R$ 713.86.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em seu levantamento mensal, apontou que a cesta básica sofreu inflação em 16 das 17 capitais analisadas pelo estudo no mês de janeiro. As três maiores altas foram registradas em Brasília (6,36%), Aracaju (6,23%), João Pessoa (5,45%).

Além do pódio das capitais que tiveram mais aumento na cesta básica, outros aumentos significativos foram registrados em João Pessoa (5,45%), Fortaleza (4,89%) e Goiânia (4,63%). São Paulo por sua vez, foi a capital com o maior custo absoluto no valor de R$ 713.86. No mesmo quesito, em seguida vieram Florianópolis (R$ 695,59), Rio de Janeiro (R$ 692,83), Vitória (R$ 677,54) e Porto Alegre (R$ 673,00).

Apesar de estar entre as três cidades que mais sofreram variação no percentual, Aracajú permanece, em valores absolutos, com a cesta básica mais barata, no valor de R$ 507,82. João Pessoa e Salvador também se destacaram no quesito com os valores de R$ 538,65 e R$ 540,01, respectivamente.

Levando em consideração despesas com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o Diesse estima que para atender as necessidades de uma família de 4 pessoas foi necessário uma renda de R$ 5.997,14 no mês de janeiro. Na capital paulista, a cesta básica chegou a consumir 63,67% do salário mínimo (R$ 1.212 em 2022) líquido, isto é, descontada a contribuição ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Preço da cesta básica aumentou 15% só em dezembro do ano passado

De acordo com uma pesquisa da Cesta de Consumo Horus/FGV Ibre comparados os preços de novembro de 2021 e dezembro de 2021, os maiores aumentos foram registrados em Brasília (14,9%), Manaus (7,8%) e Fortaleza (6,8%). Belo Horizonte foi a única cidade que apresentou retração no período, com uma queda de 2,7%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos