Valores que elegeram Crivella justificam censura a beijo gay, diz Secretária da Família

Marcella Fernandes

Secretária da Família no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Angela Gandradefendeu a decisão do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos-RJ) de proibir a livre circulação da história em quadrinho Vingadores: A Cruzada das Crianças. O livro, publicado no Brasil em 2016, contém a imagem de um beijo gay entre dois personagens.

No entendimento da advogada, o ato de Crivella é legítimo porque atende a seu eleitorado e à ascensão do conservadorismo no Brasil, que levou também à eleição do presidente Jair Bolsonaro. “Esse governo tem tomado uma posição e isso é democracia também. Esses foram os valores que elegeram nosso presidente, então democraticamente o Crivella tem razão porque são os valores que elegeram a ele”, afirmou ao HuffPost Brasil. 

A secretaria disse que recebeu reclamações de pais sobre a obra. “Acho que há razão [na decisão do prefeito]. Recebi na Secretaria muitas reclamações sobre isso [o livro]. Fui bombardeada. Muitos pais pediram para a gente tomar uma atitude. Para a gente ver que é uma preocupação que existe”, disse.

Em 5 de setembro, Marcelo Crivella determinou que a história em quadrinhos fosse recolhida da Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro. Em um vídeo publicado nas redes sociais, o prefeito, que é pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, disse que “conteúdo como este precisa estar embalado e lacrado com plástico preto e, do lado de fora, avisando o conteúdo” e que a prefeitura estaria “protegendo os menores da nossa cidade.”

A Prefeitura do Rio citou o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para justificar sua decisão, contudo nenhum dos artigos do estatuto sobre publicações infantojuvenis menciona questões sobre sexualidade, manifestações de afeto entre personagens homossexuais ou apreensão de livros de qualquer temática.

A história da HQ envolve dezenas de heróis da Marvel. Wiccano e Hulkling, dois...

Continue a ler no HuffPost