Varíola dos macacos: ainda é possível parar o surto de monkeypox?

Homem sendo vacinado nos EUA
Combater esse surto de varíola dos macacos é possível, mas quanto mais tempo deixamos passar, mais difícil fica e maior é o risco

A varíola dos macacos (monkeypox) pegou o mundo de surpresa.

Há muito tempo está presente em partes da África central e ocidental, onde as pessoas vivem perto dos animais da floresta que carregam o vírus.

Mas agora se tornou global — está se espalhando de maneiras nunca vistas antes e em uma escala sem precedentes. Houve mais de 27 mil casos confirmados da doença, principalmente em homens que fazem sexo com outros homens, em 88 países.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que esta é uma emergência global. Então, a varíola dos macacos pode ser interrompida? Ou estamos condenados a ter outro vírus se espalhando pelo mundo?

A líder técnica da OMS para a varíola dos macacos, Dra. Rosamund Lewis, diz que é "possível" acabar com o surto, mas alerta que "não temos uma bola de cristal" e não está claro se a organização será capaz de "apoiar países e comunidades o suficiente para parar este surto."

Para entender o caso, há três aspectos que precisamos considerar:

  • O vírus é particularmente difícil de lidar?

  • Temos a capacidade de pará-lo?

  • Existe vontade de enfrentar uma doença que afeta principalmente homens gays e bissexuais?

O vírus

Não há nada de especial na biologia do vírus da varíola dos macacos. Não é uma força imparável.

A covid provavelmente era — ela se espalhava tão prontamente que era impossível de ser contida mesmo nos primeiros dias da pandemia.

Mas a varíola dos macacos tem mais dificuldade em passar de uma pessoa para outra. Precisa de contato físico próximo - como através de pele infectada, contato pessoal prolongado ou superfícies contaminadas, como um lençol ou uma toalha.

Os dois vírus têm características diferentes, e os surtos anteriores de varíola dos macacos acabaram de desaparecer. E já superamos o desafio muito maior de derrotar o primo mortal do vírus, a varíola.

Monkeypox
Vírus Monkeypox visto usando microscopia

"A varíola dos macacos é mais fácil (de lidar), pois é menos transmissível do que a varíola, por isso estamos em uma posição muito melhor", disse o professor Jonathan Ball, virologista da Universidade de Nottingham, no Reino Unido.

No entanto, um problema é que algumas pessoas têm sintomas leves ou que podem ser facilmente confundidos com uma doença sexualmente transmissível ou varicela. Isso significa que pode ser involuntariamente passada para os outros.

As ferramentas

O vírus entrou em um grupo de pessoas que estão fazendo sexo suficiente ou tendo contato íntimo suficiente com parceiros suficientes para que o vírus supere suas próprias inadequações e consiga se espalhar.

O vírus não é classificado como uma infecção sexualmente transmissível. Mas um estudo no New England Journal of Medicine estimou que 95% das infecções por varíola dos macacos estavam sendo adquiridas através do sexo, particularmente sexo entre homens.

O sexo, obviamente, está cheio de todo o contato íntimo de pele com pele que o vírus usa para se espalhar.

Isso deixa duas opções para conter a doença — persuadir as pessoas a fazer menos sexo; ou a reduzir o risco de contrair a infecção quando houver exposição.

O professor Paul Hunter, da Universidade de East Anglia (Reino Unido), disse: "A maneira mais fácil de evitar isso é fechar todas as redes sexuais altamente ativas por alguns meses até que desapareça, mas acho que isso nunca acontecerá — e você?"

Algumas pessoas ajustam suas vidas sexuais em resposta aos avisos sobre a varíola dos macacos e os conselhos têm sido direcionados às pessoas em maior risco. Mas o professor Hunter argumenta que a lição das infecções sexualmente transmissíveis — desde a sífilis na Idade Média até agora — é que as pessoas ainda fazem sexo e "a vacinação é praticamente a única opção".

Felizmente, a vacina contra a varíola que foi usada para erradicar esse vírus é cerca de 85% eficaz na prevenção da varíola dos macacos.

Há suprimentos limitados, pois os estoques são mantidos no caso de alguém usar a varíola como arma, não para combater um surto sem precedentes de varíola dos macacos.

No entanto, nem todos em risco precisariam ser vacinados para interromper o surto. "Imunidade de rebanho" significa que, uma vez que um limite crítico de pessoas esteja protegido, o vírus não pode mais se espalhar. Isso será muito mais fácil de conseguir com a varíola do que com outras doenças — incluindo a covid.

bandeira gay
O vírus pode afetar qualquer pessoa, mas o surto é predominantemente em homens que fazem sexo com homens

As pessoas

Embora qualquer pessoa possa pegar monkeypox, são gays, bissexuais e outros homens que fazem sexo com homens que são afetados desproporcionalmente neste surto.

Isso pode facilitar o controle do vírus, pois, em geral, é um grupo mais informado sobre a saúde sexual. Também permite que os recursos sejam direcionados para aqueles que precisam — como vacinar homens que fazem sexo com homens em vez de toda a população.

No entanto, o estigma, a discriminação e o abuso podem impedir as pessoas de procurar ajuda, principalmente em países onde o sexo entre homens é ilegal.

"Alguns países não têm infraestrutura e alguns podem não ter vontade de fazer teste de varíola dos macacos, porque são homens que fazem sexo com homens", disse o professor François Balloux, da University College London, no Reino Unido.

Ainda há desafios em países que apoiam os direitos LGBT — lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Mesmo políticas como pedir às pessoas que se isolem — medidas com as quais estamos tão familiarizados devido à covid - podem ter consequências não intencionais.

"Isso equivale a se assumir — seja para uma esposa ou pais (já que de repente você precisa explicar o porquê) —, então há uma forte pressão para não dizer quem eram seus contatos", disse o professor Hunter.

Então a varíola dos macacos pode ser contida?

Alguns países já parecem estar controlando o vírus. O Reino Unido, por exemplo, diz que o número de infecções parece ter se estabilizado em cerca de 35 por dia. Mas os casos continuam a aumentar em outros lugares, incluindo os Estados Unidos, que declararam emergência.

Mas não será suficiente apenas os países ricos controlarem o vírus quando ele está agora em mais de 80 países que não têm um longo histórico da doença.

"Não está muito claro para mim se isso será controlado completamente, alguns países ficarão em cima disso, outros não", disse Balloux.

A líder técnica da OMS para a varíola dos macacos, Dra. Rosamund Lewis, diz que é "possível" acabar com o surto, mas alerta que "não temos uma bola de cristal" e não está claro se a organização será capaz de "apoiar países e comunidades o suficiente para parar este surto."

Países como Reino Unido, Espanha e Estados Unidos já iniciaram campanhas de vacinação contra o monkeypox, mas ainda não há previsão de quando as primeiras doses devem chegar ao Brasil.

Segundo o portal Our World In Data, o Brasil havia registrado 1.721 casos de monkeypox até 3 de agosto.

Os países endêmicos da África — onde a varíola dos macacos está sempre presente — continuarão a lidar com o vírus à medida que ele salta continuamente de animais selvagens para pessoas.

Estudos mostraram que o problema está piorando desde que o programa de erradicação da varíola terminou, já que poucas pessoas com menos de 50 anos foram imunizadas.

A única coisa que impediria isso seria uma campanha de vacinação em massa, "mas há um grande debate na África se isso é apropriado ou necessário", diz o professor Hunter.

Alguns exemplos de lesões sugestivas de monkeypox
Alguns exemplos de lesões sugestivas de monkeypox

O que acontece se não pararmos o vírus?

A preocupação é que a varíola possa se tornar uma presença permanente em pessoas em todo o mundo, e não apenas em países com animais infectados.

No momento, isso está mais relacionado a homens fazendo sexo com homens, mas quanto mais tempo o surto continuar, mais chances o vírus tem de se estabelecer de forma mais ampla.

Houve casos isolados em crianças e mulheres, mas estes casos não iniciaram seus próprios surtos em salas de aula ou locais de trabalho. No entanto, os riscos aumentam à medida que o vírus tem tempo para se tornar melhor em infectar pessoas. Testemunhamos como a covid evoluiu e variantes como a ômicron se tornaram muito melhores em nos infectar.

"A menos que o vírus mude, pessoalmente duvido que se espalhe em crianças ou, mais geralmente, em pessoas que não têm muitos parceiros sexuais", disse Balloux. "Mas quanto maior a espera, maior o risco de que isso mude", disse ele.

A outra questão é que a varíola dos macacos tem um talento especial para infectar uma ampla variedade de mamíferos, incluindo esquilos, ratos, arganazes e macacos na África. Existe o perigo de que o vírus possa se estabelecer em outros animais e começar a saltar entre as espécies. O surto de varíola dos macacos nos EUA em 2003 - que levou a 47 casos em seis estados - foi causado por cães da pradaria (um tipo de roedor nativo da América do Norte) usados como animais de estimação.

Combater esse surto de varíola dos macacos é possível, mas quanto mais tempo deixamos passar, mais difícil fica e maior é o risco.

- Este texto foi publicado emhttps://www.bbc.com/portuguese/geral-62448970

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos