Mulher atira corpo de filha morta por anorexia ao mar para "apagar lembrança"

A mãe de uma modelo russa que morreu por anorexia, cujo corpo foi atirado ao mar em uma mala para "apagar sua lembrança", reconheceu aos advogados que viajará da Rússia à Itália para explicar o ocorrido, informaram nesta quinta-feira os meios de comunicação locais.

"Perdi a cabeça, naquelas dias minha mãe também tinha morrido na Rússia, meu mundo caiu e perdi a compostura", confessou a mulher aos advogados, segundo as informações locais.

O fato aconteceu em março, embora só agora tenha sido revelado.

Katerina Laktionova, de 27 anos, era uma modelo russa residente na Itália que sofria com anorexia há vários anos e que tinha sido internada em várias ocasiões em diferentes hospitais para se tratar.

Em 25 de março, a polícia italiana encontrou seu corpo em avançado estado de decomposição no interior de uma mala no Mar Adriático e abriu uma investigação para esclarecer os fatos.

Em um primeiro momento, as autoridades italianas suspeitaram que poderia se tratar de um crime, mas posteriormente o exame legista elaborado pelo italiano Giuseppe Fortuni determinou que a jovem faleceu por fome.

A investigação também revelou que Katerina tinha morrido dias antes, mas a mãe conservou seu corpo sem vida em um quarto escuro durante pelo menos uma semana, de acordo com um amigo da família que conhecia o incidente.

Depois, a mulher -de 48 anos- pôs o corpo em uma mala e a lançou ao mar para "apagar sua lembrança", e foi embora para a Rússia, segundo as mesmas fontes.

A Promotoria de Rimini abriu uma investigação e acusou a mulher de ocultação de cadáver e falta de ajuda prestada a uma pessoa incapacitada.