Variante ômicron, convidada indesejada do réveillon, leva a cancelamentos de festas pelo mundo

·1 min de leitura

Boa parte do mundo se prepara para uma terceira virada do ano consecutiva sob as restrições geradas pela Covid-19. A variante ômicron, que se espalha a uma velocidade inédita principalmente no hemisfério norte do planeta, leva a cancelamentos de festas de réveillon na última hora, corridas por testagem e proibição de música e aglomerações na noite deste 31 de dezembro.

Quem esperava que essa virada seria a primeira mais “normal" desde 2020, se enganou. Os contágios diários no mundo ultrapassaram a barreira do milhão, pela primeira vez desde o início da pandemia de coronavírus, devido à aparição da poderosa nova variante, que se torna majoritária nas contaminações em países europeus como França e Portugal.

Apesar dos altos índices de vacinação, países como Estados Unidos, Reino Unido e até a Austrália, que até agora se via relativamente ao abrigo da Covid-19, batem recordes de infecções. De Seul a São Francisco, as celebrações de Ano Novo foram canceladas ou reavaliadas, com restrições de horários e do número de convidados.

Festa entre “Covid positivos"

A expectativa é de que o mesmo cenário se repita no resto do mundo: algumas semanas de forte alta das contaminações para depois despencarem, sem que o número de mortos volte a explodir, graças à vacinação em curso.


Leia mais

Leia também:
Ômicron: países europeus tentam conter “tsunami” de contaminações no Ano-Novo
Mais de um milhão de casos diários de Covid-19 foram registrados no mundo
Mesmo em “período de contenção”, Portugal quebra recordes de contágios pela variante ômicron

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos