Varíola dos macacos: Brasil terá vacinas ‘se houver necessidade’, diz Queiroga

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quarta-feira (1º), durante entrevista à CNN Brasil, que o país terá vacinas para combater a varíola dos macacos “se houver necessidade”.

“Não é uma vacina igual a usada no passado para varíola, mas é uma vacina de vírus inativo não replicante. Trabalhamos em parceria com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde)", disse.

"Se houver necessidade, teremos vacina para aplicar no público-alvo, que são profissionais de saúde com contato direto com pacientes”, acrescentou o ministro.

Segundo ele, a situação atual é de monitoramento. “Nos reunimos diariamente para acompanhar a evolução das contaminações.”

O Brasil está monitorando quatro casos suspeitos, ou seja, não há confirmação oficial da doença no país.

A doença

A varíola dos macacos é uma doença infecciosa que geralmente é leve e endêmica em partes da África Ocidental e Central. Embora a doença pertença à mesma família de vírus da varíola, seus sintomas são mais leves.

Os infectados geralmente se recuperam em duas a quatro semanas sem hospitalização, mas, em algumas ocasiões, a doença é fatal.

Ela é espalhada por contato próximo, e pode ser contida com relativa facilidade por meio de medidas como isolamento e higiene.

Os sintomas são: dores de cabeça; dores no corpo; nódulos linfáticos inchados; Cansaço e erupções cutâneas nas mãos e pés.

América Latina

A Argentina registrou o primeiro caso de varíola dos macacos na América Latina. O paciente é um homem que esteve na Espanha, país que identificou um pequeno surto da infecção, e regressou para solo argentino ainda na semana passada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos