Vasco: Entenda cenário político duas semanas depois de primeira eleição

Bruno Marinho
·2 minuto de leitura
Eny Miranda/Divulgação
Eny Miranda/Divulgação

O Vasco chega a duas semanas depois da primeira eleição, do dia 7, sem que tenha uma definição sobre quem será o substituto de Alexandre Campello na presidência. Luiz Roberto Leven Siano foi eleito na votação e conta com o apoio de alguns dos poderes do clube. Entretanto, o pleito e o resultado estão sub judice, contestados por Faues Mussa, presidente da Assembleia Geral, Campello e Jorge Salgado, que disputou com Julio Brant e venceu a eleição do dia 14, esta não reconhecida por Leven Siano.

O advogado considera a questão encerrada e inicia na terça-feira reuniões com seu corpo de executivos para a elaboração do planejamento do Vasco a partir de janeiro. Depois das tentativas frustradas para iniciar a transição com Campello na semana seguinte à votação do dia 7, Leven Siano espera a data para assumir a presidência.

— A situação está resolvida nas urnas, na Justiça e no clube. Aguardo apenas a data da posse — resumiu.

O mandato de Alexandre Campello vai até o dia 15 de janeiro e até lá Jorge Salgado espera conseguir invalidar a votação do dia 7 na Justiça. Ele tenta a reconsideração do desembargador Camilo Ribeiro Ruliére, responsável pela decisão que determinou a votação para o dia 7, e aguarda uma novidade para a próxima semana.

Leven Siano, por sua vez, também já acionou o Tribunal de Justiça, solicitando que a decisão seja confirmada. Independentemente do que for decidido pelo desembargador, qualquer um dos dois ainda poderá entrar com recurso dentro do TJ e, em última instância, no Superior Tribunal de Justiça.

Preparação para pedreira dupla

Após o empate com o Fortaleza, o Vasco tenta administrar o condicionamento físico dos jogadores para dois compromissos importantes em sequência. Domingo, às 16h, no Morumbi, o Cruz-Maltino enfrenta o São Paulo. Na quinta-feira, na Argentina, duela com o Defensa y Justicia, pelas oitavas de final da Sul-Americana.

A tendência é que o técnico Ricardo Sá Pinto vá com força máxima para os dois confrontos, até por causa da quantidade de desfalques do time em função da Covid-19 — foram nove testes positivos nos últimos dias.

Contra o São Paulo, o time terá tarefa das mais complicadas: a equipe de Fernando Diniz vive bom momento na temporada e o retrospecto do Vasco no Morumbi é negativo. A última vitória sobre o São Paulo como visitante foi em 2012. De lá para cá, são cinco derrotas e um empate.

Na sequência, o Vasco retornará ao Rio de Janeiro e viajará a Buenos Aires na quarta-feira, para o compromisso pela competição internacional. O segundo jogo pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana está marcado para o próximo dia 3 de dezembro, às 21h30, no estádio de São Januário.