Vasco faz ação com sócios-torcedores nos EUA e promove venda de camisa de sucesso para estrangeiros

O Vasco está perto de se despedir dos EUA. Sábado disputará o segundo amistoso no país, contra o Inter Miami, e depois retornará ao Brasil para a temporada que conta com Campeonato Carioca, Brasileiro e Copa do Brasil. Antes, tenta plantar uma semente na América do Norte.

Início: Reforços estreiam, mas Vasco não inspira e perde para o River Plate nos Estados Unidos

No Carioca: Vasco não sai do zero com o Madureira em noite de homenagens a Dinamite

Sócios-torcedores vascaínos que moram nos Estados Unidos tiveram a chance de acompanhar um treino e conhecer os jogadores treinados por Maurício Barbieri. Quem esteve no CT do Inter Miami ainda ganhou camisa oficial do cruz-maltino. Para alguns torcedores mais jovens, residentes no país, foi o primeiro contato mais próximo com o time do carioca.

Além disso, o Vasco mira o público estrangeiro. Torcedores que forem ao DRV PNK Stadium, local da partida, terão a chance de comprar camisas oficiais do cruz-maltino. Um trunfo da SAF é a venda da camisa número 3, eleita a mais bonita do mundo em 2022 pela empresa inglesa Classic Football Shirts.

Luiz Mello, CEO do Vasco, comentou as ações em meio ao período de treinos e amistosos nos EUA.

- A parte técnica é sempre o mais importante, e esse é o ponto de partida principal em qualquer tomada de decisão. Permitir que os atletas conheçam estruturas distintas daquelas que estão habituados, além de treinar e jogar contra adversários de outros países. Dentro deste contexto, internacionalizar a marca também é um dos objetivos, e isso vai além do simples fato de viajar para outros lugares, mas principalmente com conteúdos e ações que atinjam essas expectativas - afirmou.

Especialistas aprovam

A ida do Vasco para os EUA foi possível depois que o futebol foi vendido para a 777 Partners, sediada em Miami. Diretores da SAF estiveram com a cúpula da matriz, que também teve a chance de observar mais de perto o trabalho que tem sido feito na empresa vascaína.

- Internacionalização de marca é um processo que leva tempo e exige três elementos principais: presença do time, transmissão de jogos durante a temporada e venda de produtos. É um começo e um sinal de como o modelo de Multi Club Ownership pode proporcionar sinergia entre os times e colaborar nesse sentido - enalteceu Armênio Neto, especialista em novos negócios do esporte e responsável por negociar marcas entre empresas e atletas.

Fábio Wolff, sócio-diretor da Wolff Sports e especialista em marketing esportivo, também comentou a ida do Vasco para os EUA:

- Esse é o tipo de evento que gera repercussão, pois estamos falando de um clube gigante e que possui enorme representatividade também fora do país. Essa viagem à Flórida gera curiosidade do público e engajamento local, principalmente pela interação e postagens nas redes sociais.