Vasco joga mal, cede empate para o Náutico e freia arrancada por acesso

·2 min de leitura

O Vasco foi passageiro da agonia de um jogo que tentou administrar e não conseguiu. Após abrir vantagem de 2 a 0 sobre o Náutico, não teve competência para controlar a partida, foi dominado e levou o empate, em um emocionante duelo nos Aflitos.

O resultado compromete a arrancada do Vasco pelo acesso a Série A em meio a confrontos direitos pela vaga. O time estacionou na sexta posição com 47 pontos, a cinco do G-4. O proximo adversário é o CSA.O Náutico, que também sonha com a elite, ficou nos 45.

- A gente teve a vantagem, era para ter saído com a vitória, não foi nosso melhor jogo. Continuamos na luta pelo acesso - afirmou o meia Bruno Gomes.

Na boa sequência recente, agora são cinco vitórias em sete jogos do Vasco, que foi amassado pelo Náutico na maior parte do encontro deste domingo. A sorte foi que o time da casa falhou no começo, mesmo assim teve fôlego e qualidade para buscar o placar.

No primeiro gol, Nenê aproveitou erro no domínio do zagueiro, e tocou quase do meio-campo para surpreender o goleiro, que estava adiantado. O gol fez o Vasco recuar para suportar a pressão e sair no contra-ataque. E ele veio em uma das poucas jogadas bem trabalhadas.

Nenê tocou com categoria para Marquinhos Gabriel ir ao fundo e servir Cano vindo de trás. O centroavante só empurrou para a rede. A esta altura o time não tinha domínio, mas controlava bem as ações do Náutico, que seguia dominante. Aí entrou o fator bola parada.

O Vasco resistia por baixo, mas pelo alto não conseguiu. Em cruzamento da direita, Vinicius subiu nas costas de Zeca e diminuiu, de cabeça, no fim da etapa inicial.

No segundo tempo, o time da casa foi ainda mais empurrado por seu torcedor para encurralar o adversário. O Vasco não conseguiu mais fazer a saída de bola desde o goleiro e perdeu o meio-campo. De novo no jogo aéreo, veio o empate. Após falta cobrada, o zagueiro Yago subiu livre e tocou no contrapé de Lucão.

A virada parecia questão de tempo. Fernando Diniz fez duas substituições que deram mais fôlego ao Vasco. Andrey e Léo Jabá melhoraram a equipe, que tentou sair para buscar a vitória. A cabeçada de Walber na trave foi a melhor e uma das únicas chances. Mas a equipe carioca precisava se preocupar mais em levar o terceiro gol do que eu fazer o seu. O empate não foi bom para ninguém, mas foi melhor para o Vasco diante da atuação do Náutco.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos