Vasco tem quatro baixas em meio à nova onda de Covid no futebol brasileiro

O Globo
·2 minuto de leitura

Má colocação na tabela, problemas para escalar o time, tensão política... O recém-chegado técnico Ricardo Sá Pinto convive com uma coleção de problemas em seus primeiros dias de Vasco. E como se todas as dificuldades não fossem suficientes, agora terá que lidar com um surto de Covid-19 no elenco. Além do meia Carlinhos, que testara positivo na última quarta-feira, outros três jogadores foram diagnosticados com a doença e ficarão em isolamento.

A informação foi publicada em primeira mão pelo colunista do “Extra” Gilmar Ferreira. Além de Carlinhos, os zagueiros Miranda e Leandro Castan, assim como o atacante Ribamar vão desfalcar o time contra o Sport, neste sábado, na Ilha do Retiro, e diante do Fortaleza, no dia 19. O Vasco ainda não confirmou oficialmente o resultado dos exames.

Os jogadores não os únicos infectados no clube. Há outros casos, entre eles o do vice-presidente de futebol, José Luiz Moreira.

Mas o aparecimento de muitos casos não é exclusividade do Vasco. O Santos chegou a pedir o adiamento do jogo com o Internacional, também marcado para este sábado. A equipe tem o técnico Cuca, dois de seus auxiliares diretos e pelo menos seis titulares infectados: o goleiro João Paulo, o lateral Madson, o zagueiro Lucas Veríssimo e os meias Pituca, Jean Mota e Jóbson. A CBF não respondeu ao pedido, mas já não havia adiado jogos quando Flamengo e Fluminense tiveram surtos.

Já o Coritiba, que confirmou mais nove casos entre jogadores e funcionários, chegando a 15 no total. Além do técnico Rodrigo Santana, sete jogadores vão desfalcar o time no jogo de segunda-feira, contra o Bahia, pelo Brasileirão.

No Vasco, a Covid chega em um momento especialmente complicado de uma temporada já difícil. O time não vence há nove partidas e está na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. E os casos positivos atingem dois dos três zagueiros que foram titulares no último jogo da equipe, contra o Palmeiras, justamente quando Sá Pinto tentava construir o time em torno de uma linha com cinco defensores.

O treinador português chegou a celebrar que, contra o Palmeiras, o cruz-maltino permitiu menos chances ao adversário.