Vasco: veja quem são os aliados de Leven Siano ligados a partidos políticos

Bruno Marinho
·4 minuto de leitura

A eleição do Vasco chegou à esfera dos partidos políticos e expôs a força de Luiz Roberto Leven Siano junto aos diretórios nacionais do Solidariedade e do Partido dos Trabalhadores. O segundo, depois da repercussão nas redes sociais, refugou nesta terça-feira da intenção de participar da ação do SD, que tenta reverter a decisão do Tribunal de Justiça do Rio que colocou Jorge Salgado como presidente eleito do Cruz-maltino. O candidato afirma não ter participação nos movimentos jurídicos feitos pelas legendas.

Quanto ao Solidariedade, Leven Siano confirma que conversou diretamente com Tiago Cedraz, advogado do partido e de seu presidente nacional, Paulinho da Força. Há relatos de que Cedraz tem forte ascendência sobre Paulinho. O político acenou positivamente diante da questão e o partido deu entrada no Supremo Tribunal Federal.

— Conversei com diversos advogados e todos acharam a decisão equivocada. Não faço ideia de todos os clientes que eles têm — afirmou Leven Siano. — Entendi do Tiago que ele ficou preocupado com interferências que tornem inseguras eleições nas associações como um todo, incluindo os partidos que também são associações, como os clubes.

No caso do PT, a presidente nacional do partido, a deputada federal pelo Paraná Gleisi Hoffmann, afirmou que não passou por ela a decisão de entrar com o pedido para que a legenda se tornasse "amicus curiae" na ação. Segundo ela, veio de Wadih Damous, ex-deputado federal pelo PT, a iniciativa.

Damous é um dos aliados de Leven Siano dentro da política do Vasco ligados a partidos políticos. O ex-presidente da OAB-RJ tem advogado a favor de Leven Siano no caso da eleição vascaína - ele é aliado de longa data de Roberto Monteiro, presidente do Conselho Deliberativo do clube e ex-vereador do Rio pelo PCdoB.

Questionado se tinha conversado com Wadih sobre a entrada e posterior recuo do PT na ação encabeçada pelo SD, Leven Siano afirmou que não:

— Eu não sou filiado a partido algum. Não tenho qualquer controle, ingerência ou poder a nenhum partido. Pouco falo com Wadih. Não conversei sobre isso. Diversas pessoas de outros partidos me disseram que gostariam de entrar e eu disse a todos o mesmo. Essa é uma luta de vocês em favor do respeito à Constituição. Lamento muito a eleição do Vasco chegar a esse ponto por conta do presidente da AG ter insistido em não cumprir o Estatuto e meus adversários não aceitarem a derrota no jogo limpo.

Se não é filiado a partido, Leven está cercado de aliados com fortes vínculos em Brasília. Além de Damous e Monteiro, Edmilson Valentim, Elói Ferreira e Luis Manuel Fernandes, os três com mandatos ou cargos comissionados no Distrito Federal, não consideram legítima a eleição que apontou Jorge Salgado como presidente do Vasco.

Eleição do Vasco

A decisão do dia 17 de dezembro, no Tribunal de Justiça do Rio, definiu como inválida a eleição do Vasco ocorrida dia 7, em que Luiz Roberto Leven Siano se sagrou vencedor, o que fez com que o pleito do dia 14, em que Jorge Salgado recebeu mais votos, fosse legitimado.

Leven Siano recorre da decisão na esfera estadual e acionou o advogado do Solidariedade, Tiago Cedraz, que convenceu Paulinho da Força, presidente nacional do partido, para que a legenda entrasse com o recurso no STF, alegando que a decisão do TJ-RJ teria sido inconstitucional, por interferir no estatuto do Vasco.

A discordância

A eleição do dia 14, realizada de forma remota, se valeu de uma alteração na Lei Pelé, ocorrida durante a pandemia, para que votações de clubes pudessem ocorrer de forma online devido ao cenário de distanciamento social exigido pela Covid-19.

Leven Siano e seus aliados alegam que o voto online fere o estatuto vascaíno, que determina que as votações do clube ocorram de forma presencial.

A posse

Presidente eleito do Vasco, Jorge Salgado ainda não tem a posse marcada no Vasco. Ela deve acontecer na segunda quinzena desse mês e precisa ser marcada pelo presidente do Conselho Deliberativo do Vasco, Roberto Monteiro, que é aliado de Leven Siano e também tem recurso no Tribunal de Justiça do Rio para tentar reverter a decisão favorável a Salgado.

Monteiro precisa convocar a posse para no mínimo cinco dias depois do dia da convocação.