Vaticano buscou encontro do Papa com presidente chinês no Cazaquistão, mas China recusou, diz fonte

Pope Francis visits Kazakhstan

Por Philip Pullella

A BORDO DO AVIÃO PAPAL (Reuters) - O Vaticano disse à China que o papa Francisco está disposto a se encontrar com o presidente chinês, Xi Jinping, enquanto os dois líderes estão na capital do Cazaquistão, mas a China disse que não havia tempo suficiente, afirmou uma fonte do Vaticano nesta quinta-feira.

A fonte não deu detalhes sobre como ou quando o Vaticano se aproximou da China, com a qual está envolvido em um delicado diálogo sobre o status da Igreja Católica Romana no país.

Segundo a fonte, o Vaticano fez "uma manifestação de disponibilidade". O lado chinês disse que "agradeceu o gesto", mas que não havia tempo livre na agenda de Xi.

Tanto o papa quanto Xi estiveram em Nur-Sultan na quarta-feira. Xi estava lá para uma visita oficial e o papa estava lá para participar de um congresso de líderes religiosos mundiais.

Um encontro entre os dois homens, por mais breve que fosse, teria sido histórico.

Falando aos jornalistas que o acompanharam em seu voo para a república da Ásia Central na terça-feira, Francisco foi questionado se poderia se encontrar com Xi em sua capital.

Francisco respondeu timidamente: "Não tenho nenhuma notícia sobre isso", sem dar detalhes.

Questionado se estava pronto para ir à China, Francisco respondeu: "Estou sempre pronto para ir à China".

O papa tem tentado aprimorar as relações historicamente ruins entre a Santa Sé e a China, e disse à Reuters em uma entrevista em julho que esperava renovar um acordo secreto e contestado sobre a nomeação de bispos católicos romanos na China.

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS PB