Veja cinco jovens poetas para ficar de olho em 2023

O ano de 2023 promete ser especial para a cultura, que voltou a ter um ministério no novo governo federal. Nas artes, a poesia ganhou vida nas redes sociais, com artistas que postam poemas curtos ou longos e ganham destaque por lá. Muitos deles ainda buscam publicar seus livros, depois de ganhar fãs e seguidores virtuais.

É a combinação da juventude que dialoga com as redes e da expressão artística que migra de plataformas. Por isso, selecionamos alguns desses nomes para você ficar atento e acompanhar seus recentes e próximas produções.

Veja abaixo

1- Júlia Juazeira

A jovem nordestina chamou a atenção até do cantor e compositor Chico César, com quem escreveu a canção "Juazeira". A artista produz cordeis em tecido para pessoas que se interessam por sua arte que funcionam como objetos de decoração. Nas redes, é seguida por nomes das rimas, como o rapper L7nnon, e da nova geração da MPB, como Tom Veloso e Fran Gil. Vale conferir.

2- Marina Maria

A paulista de 30 anos acaba de lançar o seu livro de estreia "Poemas e outros gêneros reunidos e um pouco espalhados" pela editora Viseu. Nas páginas do novo trabalho, ela mostra a sua poesia sobre temas como amor, paixão, dualidade, solidão, entre outras. Também roeirista, ela é conhecida por trabalhos populares do universo infantil, como as séries "Bugados", do Gloob, e "Turma da Mônica", do Globoplay. Fica ligado nela.

3- Victor Lampert

O poeta é autor dos livros "Qualquer coisa finge de morto" e "Domingo sem festa". Ele ainda é produtor do centro de experimentação poética CEP 20.000, comandado pelo poeta Chacal. Como ator, costuma apresentar de forma irreverente seus poemas nos saraus.

4- Luiza Mussnich

De 2017 até hoje, a artista carioca lançou os livros de poesia "Microscópio", "Lágrimas não caem no espaço" e "Tudo coisa da nossa cabeça", este último editado pela 7Letras. Nas suas redes, costuma publicar trechos de outros poetas que aprecia e influenciam no seu trabalho.

5- Fernanda Moreira

No Instagram, a artista faz sucesso com fotos de seus versos escritos em azulejos, todos em uma estética própria. O projeto Ladrilha também busca fazer uma ocupação poética de espaços públicos. Fernanda lançou o livro "Mar é sempre beira pra quem tem medo de fundo".