Veja o que abre e o que fecha na fase vermelha durante feriado em SP

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo de São Paulo decidiu mover todas as regiões do estado para a fase vermelha, a mais restritiva do plano de contenção da pandemia do novo coronavírus, durante os feriados de Natal e do Ano-Novo. A decisão, anunciada na terça-feira (22), afeta comércio e serviços durante os dias 25, 26 e 27 de dezembro e 1°, 2 e 3 de janeiro. Nos dias 24 e 31 de dezembro, o funcionamento dos estabelecimentos segue os protocolos da fase amarela e não deve ser alterado (veja a lista abaixo). Veja o que fecha na fase vermelha Shopping centers, galerias e estabelecimentos congêneres Comércio Serviços em geral Bares, restaurantes e similares Salões de beleza e barbearias Academias e centros de ginástica Eventos, convenções e atividades culturais, como cinemas e teatros Concessionárias Seguem funcionando, mediante protocolos de higiene e distanciamento Atividades religiosas, como missas e cultos Supermercados, padarias e açougues Serviços de saúde, inclusive farmácias e clínicas, além de hospitais Transportadoras, oficinas de automóveis e motos, postos de gasolina Serviços de transporte público Bancos Pet shops Nas últimas quatro semanas, São Paulo registrou um salto de 54% do número de casos e de 34% nos óbitos. A taxa de isolamento social também caiu nas últimas semanas, segundo pesquisa do Datafolha. Com isso, o governo teme que um aumento de casos graves volte a pressionar o sistema de saúde, o que pode levar à falta de assistência médica adequada e mais mortes. Embora viagens ainda sejam permitidas na fase vermelha, algumas cidades estão impondo barreiras para evitar uma maior circulação de pessoas, que pode elevar o contágio pelo coronavírus Sars-CoV-2. As cidades da Baixada Santista, litoral sul de São Paulo, vão fechar as praias de toda a região nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro, segundo anúncio feito nesta quarta-feira (23) pelo Condesp (Conselho de Desenvolvimento Metropolitano da Baixada Santista). As festas tradicionais com queima de fogos de artifício e shows já haviam sido suspensas. Os prefeitos da região pedem agora à gestão João Doria (PSDB) que sejam feitas barreiras sanitárias nas rodovias que dão acesso à Baixada Santista para evitar a aglomeração de turistas pelos próximos dias.