Velório de Erasmo Carlos será restrito à família e amigos íntimos

A equipe do cantor Erasmo Carlos divulgou em nota que o velório do artista será fechado à família e amigos íntimos. Assinado pela família, banda e equipe Barra Dor, o comunicado atualiza ainda a causa da morte e o estado de saúde de Erasmo neste último mês (quadro de paniculite complicada por sepse de origem cutânea). A data do velório, no entanto, não foi divulgada.

Leia a nota na íntegra.

"No dia do músico, nosso amado Erasmo Esteves, o Erasmo Carlos, o Gigante Gentil, o Tremendão, o Pai do Rock Nacional, se despediu. Erasmo criou, amou, acompanhou a cada um de nós nos momentos importantes das nossas vidas. E além de todas as maravilhas que compôs e cantou durante décadas, ele nos deixou recados: o futuro pertence à jovem guarda. E que é preciso saber viver! Vamos continuar cuidando das novas gerações, por nós e por ele.

O velório será fechado à família e amigos íntimos. Quem quiser homenageá-lo, escute suas músicas, suas mensagens. Nada o faria mais feliz e amado!

Em nota, o Hospital Barra DOr informa que Erasmo estava internado desde o dia 02/11 no Hospital Barra Dor com quadro de paniculite complicada por sepse de origem cutânea."

Morte de Erasmo Carlos

Erasmo Carlos, um dos cantores e compositores mais populares do Brasil, morreu aos 81 anos, no Rio de Janeiro, nesta terça-feira (22). O artista havia deixado o hospital Barra D’Or em 2 de novembro após 16 dias internado tratando uma síndrome edemigênica. No mesmo dia, ele foi internado novamente, no mesmo hospital.

O parceiro e “amigo de fé, irmão camarada” de Roberto Carlos. O gigante gentil, com seu 1,93m de altura e coração sem tamanho. O pioneiro do rock no Brasil, com sua turma da Tijuca, que conquistou a MPB com as suas canções românticas e existenciais – simples, profundas e muito comunicativas.

Mesmo que sua voz não fosse das mais seguras ou melodiosas (e os seus acordes não chegassem muito perto daqueles que o amigo Tim Maia o ensinou na adolescência), Erasmo Carlos foi alguém que encarnou como poucos o poder da música popular – e do pop brasileiro, que ele ajudou a inaugurar com Roberto e Wanderléa no programa de televisão “Jovem Guarda” e nos filmes do Rei.

Cinco dias antes de sua morte, Erasmo Carlos venceu o último prêmio de sua carreira em vida. Na última quinta-feira (17), o cantor de 81 anos recebeu o troféu do Grammy Latino pelo Melhor Álbum de Rock ou de Música Alternativa em Língua Portuguesa, "O Futuro Pertence À... Jovem Guarda", lançado em fevereiro de 2022. O EP de oito músicas é uma releitura de canções do período da Jovem Guarda que nunca tinham sido gravadas pelo artista.

Com Erasmo, concorreram ao prêmio Baco Exu Do Blues, Criolo, Lagum e Juçara Marçal. No Instagram, o artista comemorou a vitória. “É tão importante entender o conceito, quanto ouvir a música. Existem várias formas de amor, e eu preciso de todas. Obrigado a todos que contribuíram para mais essa vitória, esse Grammy é o reconhecimento do nosso trabalho. O Futuro Pertence à Jovem Guarda!”, escreveu.