Gal Costa: fãs chegam às 5h da manhã em velório na Alesp com violão e cartazes para homenagens

O velório da cantora Gal Costa, que morreu na última quarta-feira (9), acontece na Assembleia Legislativa de São Paulo, nesta sexta-feira (11), das 9h às 15h, aberto ao público. Desde 5h da manhã, havia fãs na porta do local para conseguir prestar homenagens para a artista. O enterro será fechado apenas para amigos próximos e familiares.

'Chuva de prata': relembre os maiores sucessos de Gal Costa, morta aos 77 anos

Gal Costa viral: vídeos com a cantora ganham as redes sociais

Mãe: Gal Costa deixa o filho, Gabriel, que definia como uma 'uma luz na minha vida'

A aposentada Denise Matosinhos, de 63 anos, chegou às 5h30 na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo para se despedir de sua deusa. Àquela hora, só os vigias do prédio estavam a postos.

—Não podia deixar de dar adeus a essa deusa que nos deixou tantas marcas com dia música — disse ela, cuja canção preferida da baiana é "Chuva de prata".

Às 5h30 chegou o jornalista Renato Contente, autor de "Não se assuste pessoa: as personas políticas de Gal Costa e Elis Regina na ditadura militar". Ele é apaixonado por Gal desde que conheceu o álbum "Legal" e ressalta a postura democrática e progressista da cantora:

—Gal sempre buscou a democracia no palco, desde os shows festivos da redemocratização até o último story em apoio Lula -- afirma. -- Ela deixa um buraco gigante.

Às 9h da manhã, a fila ocupava quase toda a calçada em frente à Alesp. Pessoas de todas as idades se preparavam para se despedir de Gal. Alguns choravam, outros cantavam. Os portões se abriram às 9h20 e a fila evaporou rapidamente.

O compositor Carlos Younes chegou às 7h na Alesp com um violão nas costas. Ele pretendia homenagear Gal cantando "Trilhos urbanos", canção de Caetano Veloso que cita a cantora: "Cinema transcendental/ Trilhos Urbanos/ Gal cantando o Balancê/ Como eu sei lembrar de você". Ele pretendia que os versos consolassem os familiares da cantora, mas nem eles haviam chegado nem Carlos pôde ficar mais do que alguns segundos ao lado do caixão de Gal. O jeito foi cantar na entrada da Alesp.

—Gal faz parte das minhas memórias do coração -- diz ele, que gosta especialmente do álbum "Aquerela do Brasil", que a baiana dedicou a composições de Ary Barroso

A artista estava afastada dos palcos para se recuperar de uma cirurgia realizada em setembro para retirar um nódulo na fossa nasal direita e chegou a cancelar de última hora a participação que faria no festival Primavera Sound, em São Paulo, no último fim de semana. Segundo as recomendações médicas, ela deveria dar uma pausa nos shows até o fim de novembro.

Desde outubro do ano passado, ela rodava o Brasil com a turnê do show "As várias pontas de uma estrela", no qual revisitava grandes sucessos dos anos 80 da MPB, incluindo "Açaí", "Nada mais", "Sorte" e "Lua de mel". A agenda da cantora previa ainda shows na Europa ainda neste ano.