Vencedor do 'The voice', Victor Alves diz o que fará com R$ 500 mil após passar fome e morar de favor

·2 minuto de leitura

A vida de Victor Alves deu uma forte guinada na direção da tão sonhada carreira artística. Nas palavras dele, que foi campeão da última temporada do “The Voice Brasil” há uma semana,“foi de 0 a 90%” em pouquíssimo tempo. Nada mal para o jovem que nasceu em Macaé, no Norte Fluminense, mora na casa de um amigo em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e realizava trabalhos informais para sobreviver. Aos 20 anos, ele diz que conquistou mais do que imaginava. Agora, no entanto, aprendeu que pode sonhar ainda mais alto .

“Quero conquistar troféus com a minha música. Quem sabe ser indicado como ‘artista revelação’ no ano que vem. Ganhar um disco de ouro, conquistar mais prêmios...”, perde-se ele em seus devaneios sobre o que espera do futuro. Por enquanto, está mesmo ansioso para começar a trabalha com a gravadora — o campeão do reality ganhou um contrato, além de R$ 500 mil: “Disseram que vamos começar na primeira semana de janeiro”.

Sobre o prêmio em dinheiro, Victor quer realizar alguns desejos, como ter uma casa, e investir o resto: “Sempre quis ter um carro, para ir para onde eu quiser. Ter uma casa. Não precisa ser nada muito grande, mas um lugar para chamar de meu e poder receber meus amigos e parentes. De resto, é investir para ter a independência financeira e ajudar a quem me ajudou e outras pessoas”, planeja ele, que integrou o time Iza.

Ajudas as quais o artista é bastante grato. Desde q ue veio trabalhar no Rio —já fez de tudo, entregou lanches, instalou portões e ajudou a montar móveis — mora em casas de amigos. Nos tempos de vacas magra, chegou a passar fome, além de se apresentar em locais pequenos sem ganhar um real.

“Tive uma vida confusa. Sonhava ser artista, mas não tive apoio. Já passei fome, não vou mentir, cheguei a morar numa casa que só tinha um colchão e um botijão de gás. Era uma vida conturbada, achava que não conseguiria cantar, por isso comecei a trabalhar. Dava os meus pulos", relata ele.

Talvez por isso não se sentia confiante ao entrar na competição, “ver os artistas e ouvir as vozes maravilhosas deles”. “Me sentia menor”, reconhece. Mas, ao longo da competição, ganhou confiança até que (para a surpresa até do próprio Victor), consagrou-se campeão. Foi um momento de virada:

“Foi mais que uma competição. Me senti um campeão da vida, algo que nunca imaginei”, resume.