Venda de carvão faz-se de bicicleta em Moçambique

O consumo de carvão vegetal é fundamental para uma fatia considerável da população em Moçambique e se nas grandes economias mundiais, a distribuição acontece à escala industrial, aqui é feita de bicicleta.

Os vendedores na região de Manica, no centro do país, estão obrigados a percorrer várias centenas de quilómetros por semana, em alguns casos chegam mesmo a pedalar durante três dias para terem algo que vender.

A distância tem vindo a aumentar e a tendência é para que continue a crescer. O consumo de carvão vegetal deu origem ao desflorestamento da região e apesar dos vendedores contribuírem para o problema, os ambientalistas sabem que não são eles os culpados.

Eugénio Fumane, gestor de projetos do Fórum Terra em Manica, sublinha que os vendedores o fazem por uma questão de sobrevivência e que os verdadeiros culpados são outros.

Quem está a pressionar os carvoeiros somos nós, que estamos a viver na cidade. Quem precisa, quem consome esse carvão somos nós. Esse produto vem para a cidade.

Para o ambientalista, a solução passa por ações sustentáveis de reflorestamento, pelo incentivo do uso de gás e pela redução dos custos da energia elétrica.

Enquanto isso não acontecer, a distribuição a pedais vai beneficiando ambas as partes do negócio. Cada saco é vendido pelo equivalente a pouco mais de três euros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos