Venda de produtos usados aumentou 48% no último ano

·1 minuto de leitura
Closeup - Woman holding sale shopping bags. Consumerism, shopping, lifestyle concept
Para além das preocupações ambientais, diminuição de renda e aumento dos preços dos produtos também interferem na escolha do consumidor (Getty Image)
  • Mercado de itens de segunda mão cresceu durante a pandemia

  • No primeiro semestre do ano, foram abertas 2.104 novas empresas no segmento

  • Móveis, eletrodomésticos, roupas, calçados, livros e colecionáveis estão entre os produtos vendidos

A geladeira pifou e a grana está curta. Qual a solução para não deixar os alimentos estragarem? Para uma parte dos brasileiros, a compra de um refrigerador de segunda mão pode ser a solução. Apenas no último ano, a venda de produtos usados aumentou 48,58%, de acordo com um levantamento do Sebrae.

Leia também:

Percebendo a rentabilidade do mercado, empreendedores decidiram apostar na venda de itens que já tiveram outros donos. Apenas no primeiro semestre de 2021, foram abertas 2.104 novas empresas no segmento, sendo 1.875 eram microempreendedores individuais (MEI) e 229 fora empresas de pequeno porte.

Os setores de atuação são amplos. Móveis, eletrodomésticos, roupas, calçados, livros e artigos colecionáveis estão entre as mercadorias comercializadas por este setor do varejo, segundo dados apurados pela pesquisa.

O Sebrae aponta a preocupação com o meio ambiente como um dos impulsionadores das vendas. No entanto, diminuição de renda e aumento dos preços dos produtos também interferem na escolha do consumidor, uma vez que itens usados são vendidos a preços menores em comparação com mercadorias novas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos