Venda de máscaras falsificadas dispara na China

A China luta para produzir material suficiente para lidar com a epidemia de coronavírus

A disseminação do novo coronavírus na China está causando um aumento da venda de produtos médicos falsificados, como máscaras protetoras, apesar da repressão por parte das autoridades.

Diante da escassez de máscaras e produtos desinfetantes, muitos vendedores não autorizados oferecem produtos contrabandeados, em muitos casos de baixa qualidade ou ilegais.

A imprensa e as autoridades tornaram públicos vários casos, como empresas que falsificavam a marca das máscaras ou uma fraude que consistia em vendê-las, mas depois não entregá-las.

No total, as autoridades reprimiram 688 casos de venda de máscaras ou outros itens "inferiores" ou falsificados, disse Du Hangwei, vice-ministro de Segurança Pública.

No total, a polícia confiscou 31 milhões de máscaras e outros produtos falsificados no valor de 174 milhões de yuans (22,7 milhões de euros), informou Du em entrevista coletiva.

Pelo menos 22.000 suspeitos foram presos por crimes ou delitos relacionados à epidemia, disse, indicando que as autoridades também estão lutando contra o aumento dos preços por alguns vendedores oportunistas.

Alguns aproveitam a necessidade urgente de máscaras, desinfetantes e óculos para espalhar informações falsas na Internet e gerar fraudes, disse a polícia de Chengdu (sudoeste).

A polícia pediu à população que seja "racional" e só compre material de proteção através de canais autorizados.

As autoridades de Sichuan (sudoeste) indicaram que a venda de máscaras que não cumprem as normas de qualidade poderia constituir um crime.

"A sentença máxima é a prisão perpétua", alertaram, denunciando a venda ilegal de máscaras usadas.

Para responder à demanda cada vez mais forte, a China reforçou seu apoio a empresas capazes de transformar suas fábricas para produzir máscaras e outros artigos sanitários.

Mas a falta de trabalhadores, devido a medidas de quarentena e restrições de tráfego, complica a situação.

Du Hangwei também disse que 49 policiais e auxiliares "sacrificaram" suas vidas para combater a epidemia, sem dar mais detalhes.