Venda de pílula e camisinha levanta debate em farmácia nos EUA após mudança em lei do aborto

*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 19-03-2020: Still objetos. Camisinha. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 19-03-2020: Still objetos. Camisinha. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Consumidoras nos Estados Unidos iniciaram um boicote na internet contra a gigante das farmácias Walgreens porque, segundo elas, alguns funcionários da rede estariam se negando a vender produtos contraceptivos como pílulas e camisinhas.

"Qual é a sua política em relação à dispensação de medicamentos prescritos? Seus farmacêuticos têm o direito de recusar o serviço com base em suas crenças religiosas? Eles trabalham para a Walgreens ou para si mesmos?", perguntou uma internauta no Twitter.

A Walgreens respondeu que os farmacêuticos podem deixar de preencher uma receita para a qual tenham uma "objeção moral". Nesse caso, devem encaminhar a prescrição a outros profissionais ou ao gerente.

O movimento acontece depois de a Suprema Corte americana ter derrubado a garantia constitucional ao aborto. Clínicas de vários estados do país deixaram de oferecer o procedimento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos