Venda de sorvete acumula queda na pandemia, diz consultoria

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 03.08.2019: Sorvete da marca Boto, de Santarém, em São Paulo. (Foto: Keiny Andrade/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 03.08.2019: Sorvete da marca Boto, de Santarém, em São Paulo. (Foto: Keiny Andrade/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A venda de sorvetes no Brasil deve registrar o segundo ano de queda na esteira da pandemia, segundo análise da consultoria Euromonitor.

A categoria encolheu 9,3% em 2020 e deverá ter nova retração, de 0,6% neste ano, afirma a Euromonitor. A expectativa é que sejam consumidos cerca de 437 milhões de litros neste ano.

Outros doces tiveram alta nas vendas no período. Chocolates deverão crescer 0,4% em 2021 após avançar 2,6% no ano passado, enquanto o consumo de bolachas doces subiu mais de 3% nos dois anos.

Gregory Ribeiro, analista da Euromonitor, diz que o consumo de sorvete depende mais da compra por impulso quando o cliente está na rua, em uma viagem ou no restaurante.

"Os chocolates têm um canal de compra consolidado para consumo em casa, enquanto a venda de sorvete de um litro no supermercado é menos relevante."

Segundo o analista, a categoria já vinha apresentando resultados fracos antes da pandemia. Por outro lado, Ribeiro diz que as inovações que avançaram por causa da Covid-19, como as embalagens para delivery, podem diminuir a sazonalidade do produto e a expectativa é de recuperação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos