Vendas no e-commerce caem 23% na Black Friday 2022, aponta NielsenIQ|Ebit

O faturamento bruto do e-commerce brasileiro no dia da Black Friday 2022 caiu 23% em relação a 2021. O resultado compreende somente o desempenho do varejo on-line na sexta-feira, dia 25. Os dados foram divulgados pela NielsenIQ|Ebit, em parceria com a empresa de pagamentos digitais Bexs Pay.

Proposta: Equipe de Lula planeja cadastro e regulação para definir direitos de trabalhadores de aplicativos

Black Friday: Problemas com pagamento em sites levam a perda de oferta

A categoria de produtos que registrou a maior queda no faturamento bruto foi Eletrônicos, com recuo de 26,7%. Em seguida, aparece Alimentos e Bebidas, com 22,1%. Na sequência, Casa e Decoração registrou baixa de 10,5%. O segmento de Games, por fim, foi o mais resiliente: queda de 0,7%.

Apesar do tombo na comparação com a mesma data de 2021, houve um recuo de apenas 1% quando se observam os 25 dias corridos de novembro - o que configura estabilidade. Segundo a consultoria, o resultado reforça a tendência de que o mês de novembro se tornou atrativo para compras, de forma geral.

Cenário desafiador

O cenário macroeconômico desafiador, porém, joga contra o movimento de diluição das ofertas e das compras ao longo do mês de novembro. Com o ambiente de juros altos e inflação ainda elevada, a renda disponível das famílias para consumo de bens e serviços diminui. E grandes varejistas já sentem o aumento da inadimplência nos cartões. Conforme mostrou O GLOBO, o índice de atraso de pagamento chegou a 19,5% em outubro, contra média de 16% observada nos últimos cinco anos.

Recorde: Inadimplência passa de 30% das famílias pela 1ª vez em outubro

Há ainda o impacto da reabertura das lojas físicas sobre o comércio eletrônico, conforme citou na divulgação dos dados o gerente de e-commerce da NielsenIQ, Marcelo Osanai, ao lembrar que 2022 está distante do isolamento social e fechamento de comércios físicos experimentados nos anos anteriores.

“Ao considerarmos que a economia brasileira vive um momento desafiador e que em 2022 as lojas offline estão de volta, em peso, para competir com o e-commerce, é interessante perceber que a queda de -1% demonstra, na verdade, estabilidade. É como se o e-commerce, por ter uma força extra, se mantenha vivo e forte na data especial”, explicou.

Com inflação e juros altos: Empresas buscam renegociação com fornecedores para evitar inadimplência

A pesquisa elencou por categoria a variação do faturamento bruto do e-commerce durante os 25 dias de novembro em 2022, em relação ao mesmo período de 2021. Veja a seguir o ranking:

O grupo de alimentos e bebidas, que chegou a ter grande impulso com o desejo do consumidor de adquirir produtos de giro rápido no e-commerce, teve pequena queda de 3,3% em faturamento bruto. Ainda assim, a pesquisa aponta que o número de pedidos "aumentou consideravelmente".