Venezuela inicia na quinta vacinação com a Sputnik V

·3 minuto de leitura
Esta foto de apostila divulgada pela presidência venezuelana mostra o presidente venezuelano Nicolas Maduro fazendo um discurso em Caracas, em 9 de fevereiro de 2021. O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, anunciou na terça-feira a chegada das primeiras 100.000 vacinas contra o Sputnik V, de um total de 10 milhões que foram concordou com as autoridades russas.

A Venezuela começará sua campanha de vacinação contra a covid-19 na quinta-feira (18), após a chegada das primeiras 100.000 doses da vacina russa Sputnik V, informou o presidente Nicolás Maduro nesta quarta (17).

"Amanhã, quinta-feira, 18 de fevereiro, iniciaremos a vacinação de todo o pessoal de saúde do país e dos grupos prioritários", disse Maduro em entrevista coletiva no palácio presidencial de Miraflores em Caracas.

Ao reiterar que a vacinação em massa está marcada para abril, o presidente afirmou que além do pessoal da saúde, serão vacinados os deputados, bem como agentes de seguranças, tanto policiais como militares, e outros funcionários do governo.

O plano de vacinação inclui "autoridades que pelo trabalho de rua justifiquem (...) sua proteção especial para que o Estado continue sua marcha, da mesma forma os deputados serão vacinados nesta primeira etapa", disse ele, lembrando a morte de vários prefeitos e funcionários do chavismo por covid-19.

O lote que chegou ao país no sábado representa 1% do total acertado em novembro com a Rússia por uma delegação do governo do país caribenho em visita a Moscou. Ainda não se sabe quando será a próxima entrega.

Além das 10 milhões de doses acertadas com a Rússia, a Venezuela reservou entre 1,4 e 2,4 milhões de vacinas AstraZeneca por meio do sistema Covax da Organização Mundial de Saúde (OMS).

No entanto, essas doses não conseguiram chegar à Venezuela, já que o país não pagou sua dívida com a OMS, disse na sexta-feira Alena Douhan, relatora especial da ONU. O primeiro prazo de pagamento expirou na terça-feira.

Com 30 milhões de habitantes, a Venezuela, que participou dos ensaios clínicos da Sputnik V, soma 133.927 casos confirmados e 1.292 mortes por covid-19, segundo dados oficiais, questionados por organizações como a Human Rights Watch.

- Dívida com a OPAS -

Maduro reiterou que a vacinação em massa está marcada para abril e que por enquanto, as 100 mil doses do Sputnik V que chegaram ao país no último sábado serão destinadas aos funcionários da saúde e da segurança - tanto policiais quanto militares - além dos deputados do Parlamento de maioria chavista e outras autoridades "que com seu trabalho nas ruas justificam (...) sua proteção especial para que o Estado continue em marcha".

Ressaltou que sua esposa, Cilia Flores, e ele, com 58 e 64 anos respectivamente, serão vacinados "assim que puderem".

Maduro declarou que seu governo "investiu 200 milhões de dólares" nas 10 milhões de vacinas do Sputnik V "que devem chegar neste quadrimestre progressivamente".

Mas também evocou a possibilidade de obter uma "combinação" de vacinas, inclusive chinesa e cubana, essa última ainda em fase de testes.

A Venezuela está entre os 37 países da América Latina e Caribe que receberão vacinas anticovid por meio do dispositivo Covax.

No entanto, essas doses não conseguiram chegar à Venezuela porque o país não pagou sua dívida com a OPAS, afirmou na sexta-feira Alena Douhan, relatora especial da ONU para avaliar o impacto das sanções sobre os direitos humanos.

O primeiro prazo de pagamento das vacinas expirou na terça-feira.

jt-mbj/rsr/gf/bn