Venezuela responde Brasil sobre manchas de óleo no mar

Barril de petróleo na praia de Barra dos Coqueiros, Sergipe (AFPP

A estatal petroleira venezuelana PDVSA negou nesta quinta-feira (10) responsabilidade nos derramamentos de petróleo registrados na costa do Brasil, após o Ministério do Meio Ambiente brasileiro indicar que o líquido preto que chegou às praias "muito provavelmente" veio da Venezuela.

"A PDVSA nega categoricamente as declarações do ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, que acusa a Venezuela de ser responsável pelo petróleo que contaminou as praias do nordeste do Brasil desde o começo de setembro", afirmou a petroleira venezuelana em um comunicado.

Leia também

A empresa considera "infundadas" as afirmações do Brasil, "já que não existe evidência alguma de derramamento de petróleo nos campos petrolíferos da Venezuela que pudesse ter gerado danos ao ecossistema marinho do país vizinho".

Na quarta, Salles disse que as manchas que apareceram em cerca de 130 praias do Brasil "muito provavelmente" vêm do país vizinho, em meio à pior crise socioeconômica de sua história recente.

A PDVSA afirmou que não recebeu nenhum relatório de seus clientes, ou filiais, "sobre uma possível avaria, ou derramamento, nas proximidades da costa brasileira, cuja distância de nossas instalações petroleiras é de aproximadamente 6.650 km, via marítima".

"Condenamos essas afirmações tendenciosas que pretendem aprofundar as ações unilaterais de agressão e bloqueio contra nosso povo", afirmou a PDVSA em alusão às sanções americanas.

As manchas de petróleo foram encontradas ao longo de 2.000 km de costa do Nordeste brasileiro.

Especialistas consultados pela AFP alertam que os resíduos de petróleo ameaçam ecossistemas muito sensíveis, como praias, mangues e recifes.

Análise dá razão a ministro: óleo no mar veio da Venezuela

O óleo que resultou nas manchas encontradas em mais de 130 localidades do litoral nordestino tem origem da Venezuela. É o que afirmou a pesquisadora Olívia Oliveira, em entrevista coletiva no Instituto de Geociências da UFBA (Universidade Federal da Bahia) na manhã desta quinta-feira (10).

De acordo com a professora, foram analisadas amostras coletadas nos litorais da Bahia e de Sergipe, numa parceria entre as universidades federais dos dois estados nordestinos e a Universidade Estadual de Feira de Santana (BA).

Todo o material coletado foi cadastrado no Lepetro, centro vinculado ao Instituto de Geociências da UFBA, com nove unidades laboratoriais nas áreas de geologia, química, microbiologia, geoquímica, petróleo e meio ambiente.

Foram selecionadas nove amostras, sete da costa sergipana e duas da baiana. Depois, feita a separação física e desidratação do material contaminante da areia e da água do mar. Em seguida, o óleo total foi injetado em cromatógrafos com detector de chamas para obtenção do fingerprint, ou seja, da impressão digital do material fóssil, em livre tradução.

Com AFP e Folhapress