Ventos diminuem na Califórnia, e fogo fica controlável

1 / 2
Floresta queimada é vista em Bonsall, na Califórnia, em 8 de dezembro de 2017

Os fortes ventos que atingem o sul da Califórnia e avivam brutais incêndios na zona começaram a diminuir neste sábado (9), dando um respiro aos moradores da área e aos bombeiros que combatem o fogo.

Cinco dias depois de terem abandonado suas casas, alguns californianos finalmente começaram a retornar para verificar o dano causado pelo fogo, que forçou milhares de pessoas a deixarem a área. As chamas destruíram cerca de 700 estruturas, incluindo mansões.

Apesar da intensidade dos incêndios que se propagaram em seis frentes diferentes - do norte de Los Angeles até a região de San Diego -, as autoridades reportaram uma vítima fatal.

Com rajadas de vento de até 95 km/h, os fortes ventos de Santa Ana causaram na sexta-feira um "perigo extremo de incêndios", advertiram as autoridades. O alerta vermelho foi ampliado até domingo, devido à baixa umidade esperada.

Apesar da diminuição dos ventos, os meteorologistas informaram que, em vários condados da zona, a fumaça e as cinzas poderão continuar afetando a qualidade do ar.

Como consequência do incêndio denominado "Thomas", na montanhosa cidade de Ojai, o índice de qualidade do ar está acima de 500, um nível considerado "perigoso".

Desde seu início na noite de segunda-feira (4) no condado de Ventura, Thomas arrasou cerca de 60 mil hectares.

Um porta-voz do Corpo de Bombeiros da área disse que a situação pode melhorar neste sábado, após a "contenção" das chamas no dia anterior.

- 'Progressos consideráveis' -

O custo material do combate aos incêndios disparou para 17 milhões de dólares, segundo estimativas das autoridades de Ventura.

O incêndio "Skirball", que atingiu o bairro nobre de Bel-Air, está contido em pelo menos 50%.

Os bombeiros também conseguiram controlar 80% do incêndio "Creek" - o maior e mais perigoso da zona, que se estendeu por mais de 15 mil hectares -, enquanto "Rye" estava contido em quase 65%.

A Agência Estadual de Incêndios da Califórnia disse que "as condições favoráveis ajudaram a fazer progressos consideráveis no dia de hoje", mas advertiu que "os moradores devem permanecer vigilantes, já que as condições podem mudar rapidamente".

As autoridades dos arredores de San Diego, onde o incêndio "Lilac" rapidamente queimou mais de quatro mil hectares desde a manhã de quinta-feira, emitiram um aviso semelhante.

Quatro civis e dois bombeiros ficaram feridos neste incêndio, que também matou 24 cavalos após devastar oito celeiros.

Em Fallbrook, no condado de San Diego (norte), várias casas foram destruídas.

O presidente Donald Trump decretou estado de emergência na Califórnia, o que autoriza a liberação de fundos federais.

Depois dos registros desta semana, 2017 passa a ser o ano em que os incêndios florestais mais mataram na história da Califórnia.

Mais de 40 pessoas faleceram em outubro, quando o fogo arrasou condados produtores de vinho, localizados ao norte de San Francisco.