Vereador é detido pela PM em SP após chamar policiais de 'canalhas'

SÃO PAULO - O vereador de São Paulo Marcelo Messias (MDB) foi detido pela Polícia Militar (PM) no último sábado por supostamente ter desacatado policiais que impediram a realização de shows do evento Festa do Trabalhador, no Jardim Mirna, bairro na periferia na região Sul da capital paulista.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP), o parlamentar "foi conduzido" ao 101º Distrito Policial, no bairro Jardim das Imbuias, após "desentendimento sobre a realização de evento".

Ainda de acordo com a SSP, os policiais impediram a realização de shows previstos para ocorrer na tarde de sábado porque a organização do evento não apresentou o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), documento necessário para que as apresentações fossem liberadas. A detenção do vereador ocorreu por volta das 19h30 e, de acordo com a SSP, o político foi liberado após ser ouvido e receber orientações.

O evento ocorre anualmente em comemoração ao Dia do Trabalhador, tem Messias como seu "padrinho" e teve a presença do prefeito Ricardo Nunes (MDB). O vereeador é da base aliada de Nunes e líder da bancada do MDB na Câmara Municipal.Em imagens que circulam nas redes sociais, é possível ver o momento em que Messias sobe ao palco, já à noite, e aos gritos se dirige à população no local. Ele chama de canalhas os policiais e bombeiros que teriam impedido que o evento ocorresse sem o auto de vistoria.

"Não entendo por que a polícia, o bombeiro, a secretaria está fazendo (sic) isso com vocês. Não é só comigo, estão desrespeitando vocês que são muncícipes que pagam impostos, trabalhadores. Nós não podemos aceitar esses canalhas prejudicar vocês (sic)", disse o vereador no palco.

Na sequência, o parlamentar foi detido pelos policiais no local por desacato à autoridade. Imagens publicadas na internet mostram que ele resiste à prisão e é então agredido pelos PMs. Em um dos vídeos, é possível ouvir que uma pessoa tenta convencer Messias a "ir na boa" à delegacia enquanto o vereador é imobilizado por ao menos três policiais.

Em um vídeo em suas redes sociais e, posteriormente, em uma nota sobre o tema, Messias afirma ter subido ao palco "para acalmar as pessoas" que estavam à espera dos shows, apesar do tom agressivo de sua fala no local. O vereador diz que é "padrinho" do evento e que não era o responsável pelo AVCB.

Na tarde desta terça-feira, Messias pediu à Procuradoria da Câmara Municipal que a Corregedoria da Polícia Militar seja intimada a prestar esclarecimentos. O parlamentar diz que "houve força exacerbada e desnecessária" dos policiais em sua detenção e questiona o fato de um dos policiais que o deteve continuar em serviço.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos