Vereador de São Paulo chama colega de 'judeu filho da puta'; assista

O vereador precisou ser contido por colegas (Foto: Reprodução/TV Câmara SP)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Xingamento aconteceu durante votação sobre regulação de transporte por aplicativo

  • Vereador alega que ‘sempre fez questão de respeitar’ cultura judaica

Durante uma discussão de um projeto de lei sobre regulação de transporte por aplicativo na Câmara Municipal de São Paulo, o vereador Adilson Amadeu (DEM) chamou o colega Daniel Annemberg (PSDB) de “judeu filho da puta”. O caso aconteceu na noite de quarta-feira (11).

Os dois parlamentares, que compõem a base do prefeito Bruno Covas (PSDB), debatiam se colocavam ou não em votação o projeto de lei 419/18, de autoria de Amadeu. O PL do político, que tem taxistas como sua maior base eleitoral, pretende apresentar uma série de restrições a aplicativos como Uber e 99. A discussão acabou em xingamento, confusão e empurra-empurra.

Leia também

Em um vídeo divulgado pelo portal BuzzFeed News Brasil, é possível ouvir o xingamento e, em seguida, outros vereadores preocupados com a atitude de Adilson Amadeu. Depois, alguns colegas tentam conter fisicamente o político.

Ao Estadão, o vereador Daniel Annemberg disse que já foi alvo de ofensas de Amadeu em outras ocasiões. Annemberg já foi secretário de Inovação e Tecnologia da gestão Bruno Covas (PSDB) e presidente do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Ele afirma que vai tomar medidas contra o colega:

"Com certeza devo tomar medidas contra isso, que ainda estou estudando quais serão. Mas vou fazer uma queixa-crime e representar contra ele na Corregedoria da casa. Isso é racismo, isso é antissemitismo e eu não vou admitir”, disse o vereador ao BuzzFeed News Brasil.

Em nota, Adilson Amadeu afirmou que não tinha a intenção de ofender a comunidade judaica, “a quem sempre fiz questão de respeitar”:

"No calor da discussão, algo tão comum em votações polêmicas em plenário, eu realmente me excedi e, caso alguém tenha se sentido ofendido e ainda que não tenha sido uma fala generalizada, quero pedir minhas sinceras desculpas à comunidade judaica. Aproveito este esclarecimento para deixar claro que, em nenhum momento, houve um ataque à cultura ou tradição judaicas, a quem sempre fiz questão de respeitar", escreveu o vereador.