Vereador de SP é acusado de racismo por chamar ex-prefeito Pitta de “negro de alma branca”

·2 minuto de leitura
Arnaldo Faria de Sá (Progressistas) foi acusado de racismo - Foto: Ananda Borges/Câmara dos Deputados
Arnaldo Faria de Sá (Progressistas) foi acusado de racismo - Foto: Ananda Borges/Câmara dos Deputados
  • Arnaldo Faria de Sá disse que ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta era um "negro de alma branca"

  • Frase foi repudiada imediatamente, e o PSOL prometeu entrar com denúncia contra o vereador

  • Posteriormente, Arnaldo pediu desculpas

O vereador Arnaldo Faria de Sá (Progressistas) foi acusado de racismo por colegas da Câmara de São Paulo por chamar o ex-prefeito da capital paulista, Celso Pitta, de “negro de alma branca”. O episódio aconteceu no plenário da casa na última segunda-feira (12).

"Eu me preocupei com um negro, que era o Pitta, o prefeito da capital, que estava escorraçado, estava sendo atacado, vilipendiado”, disse. “Ele levou seu mandato até o final. Eu estava preocupado com um negro de verdade, negro de alma branca como as pessoas costumam dizer, mas não podemos ter essa preocupação.”

Leia também

A frase foi dita durante pronunciamento de Arnaldo sobre o Projeto de Intervenção Urbana do Setor Social. Ela foi registrada apenas em áudio, pois as sessões estão acontecendo remotamente e o vereador participava com a câmera desligada.

A expressão gerou repercussão imediata e foi repudiada por colegas de Arnaldo na Câmara. A vereadora Elaine do Quilombo Periférico (PSOL) afirmou que “dizer que um negro para ser bom negro precisa ser um negro de alma branca é uma frase absolutamente racista e inaceitável neste plenário".

Celso Pitta foi prefeito de São Paulo entre 1997 e 2000 (Paulo Fridman/Sygma via Getty Images)
Celso Pitta foi prefeito de São Paulo entre 1997 e 2000 (Paulo Fridman/Sygma via Getty Images)

"Utilizar a expressão preto de alma branca para se referir a alguém como um negro de verdade é racista. Não vamos tolerar a utilização dessa expressão entre parlamentares, que deveriam representar o povo, povo majoritariamente negro”, avaliou a covereadora negra do mandato coletivo Bancada Feminista, também do PSOL, Paula Nunes.

O presidente da Câmara, Milton Leite (DEM) lamentou a “cena triste”. "A fala é uma fala racista. Realmente, ela merece um reparo público e imediato", disse.

A bancada do PSOL na Câmara de Vereadores de São Paulo avisou que vai entrar com denúncia na corregedoria da Câmara contra Arnaldo Faria de Sá por quebra de decoro parlamentar. Além disso, fará representação criminal no Grupo Especial de Combate aos Crimes Raciais e de Intolerância (GECRADI), do Ministério Público de São Paulo.

Vereador pede desculpas

Diante da repercussão negativa da fala, o Arnaldo se desculpou posteriormente. "Eu errei, não quero discutir com ninguém, quero pedir desculpas humildemente.”

Arnaldo foi secretário de Governo do mandato de Pitta em São Paulo, entre 1997 e 2000. Ele também ocupo cargo de deputado federal por quase 30 anos, entre 1987 e 2015.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos