Vereador é condenado por dizer que guia de turismo "late demais"

·2 minuto de leitura
O vereador Rodrigo Silva Pereira (PSDB), de Peruíbe (SP)
O vereador Rodrigo Silva Pereira (PSDB), de Peruíbe (SP)
  • Vereador Rodrigo Silva Pereira (PSDB) foi condenado a indenizar uma guia de turismo por danos morais

  • Durante conferência em 2019, o político teria dito que a profissional "latia demais"

  • Vítima exigiu 52 salários mínimos, porém Justiça reduziu pagamento para R$ 7 mil

O vereador de Peruíbe (SP) Rodrigo Silva Pereira (PSDB) foi condenado a indenizar uma guia turística por danos morais. Ele teria dito que a profissional "latia demais" durante uma conferência da Secretaria Municipal de Turismo, na época comandada pelo político, realizada em 13 de março de 2019.

A vítima havia exigido indenização equivalente a 52 salários mínimos (R$ 52.250,00). Porém, o juiz João Costa Neto reduziu a quantia a ser recebida para R$ 7 mil. Cabe recurso das duas partes.

Leia também

No evento, o vereador teria dito para a mulher "você late muito" e "porque você não para de latir". Além disso, questionou a presença dela no evento: "Você nem deveria estar". Na época, a vítima pleiteava uma vaga na eleição para o Conselho Municipal de Turismo, porém agentes de turismo não podiam participar. Pereira teria até ameaçado chamar a polícia contra a profissional.

As declarações constam em boletim de ocorrência e foram mencionadas em nota de repúdio do Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de Peruíbe. Na época, o político não negou as ofensas, mas disse que não se lembrava. "Alega que se houve ofensa, não foi intencional", conforme trecho do processo.

Para a justiça, o vereador disse que a guia de turismo teria proferido "falas ostensivas" contra ele. "[Pereira] Sustenta que, no dia dos fatos, a autora teria causando-lhe incômodo e desconforto, ao exigir sua participação. Relata que a autora teria impedido o bom andamento da reunião. Sustenta que não impediu a autora de participar do evento, mas apenas de votar ou de ser votada", descrevem os autos.

Em nota enviada ao portal UOL, a advogada da guia turística, Janaina Basilio, informou que ainda está avaliando se vai recorrer da decisão, devido à diferença no valor exigido e no concedido. Já a advogada Juliana de Aquino Fornazier Rangel, que defende o político, informou que o vereador ficou "surpreso" com a decisão. "O vereador informa que confia na Justiça e irá recorrer da decisão para buscar os esclarecimentos dos fatos", disse.