Vereadora petista deve assumir secretaria de Paes selando aliança do PT com PSD no Rio

A vereadora carioca Tainá de Paula (PT) deve assumir uma secretaria da gestão do prefeito Eduardo Paes, simbolizando o primeiro passo da consolidação da aliança do PT com o PSD no Rio de Janeiro. Os partidos se aproximaram no estado ao longo do segundo turno das eleições, quando Paes mergulhou de cabeça na campanha de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Análise: PSD mira dois ministérios, enquanto Paes abre espaço para o PT no Rio

Transição: Equipe de Lula procura ex-ministro da Defesa e ex-comandante do Exército do governo Bolsonaro

A negociação sobre qual pasta a parlamentar irá comandar ainda está aberta. Entre as possibilidades para vereadora, que é arquiteta e urbanista, estão as secretarias de Habitação, Assistência Social ou Desenvolvimento e Inovação.

Eleita em 2020 com quase 25 mil votos, Tainá possui boa relação com Paes, além de ter bom trânsito entre seu grupo político e entre membros da gestão da Prefeitura. Atualmente ela preside a Comissão de Assuntos Urbanos da Câmara Municipal do Rio.

O ingresso da petista na prefeitura carioca faz parte de uma aproximação mais ampla, em nível nacional, do PT com o partido comandado por Gilberto Kassab. Segundo publicou O GLOBO, o PSD negocia a indicação de ministros no futuro governo Lula.

Paes, que é visto por Kassab como uma das principais lideranças do partido, emplacou dois aliados na equipe de transição do governo do PT. São eles o deputado federal e ex-secretário municipal de Fazenda, Pedro Paulo (PSD), e o secretário municipal de Saúde e deputado federal eleito, Daniel Soranz (PSD.

No último domingo, a colunista Berenice Seara, do Extra, revelou que o prefeito carioca quer dar duas secretarias para o PT. Uma segunda pasta pode ir para seu ex-vice entre 2012 e 2016, o ex-vereador Adilson Pires.

Também já está na mira das negociações entre os partidos a disputa pela prefeitura do Rio em 2024. Alas do PT defendem que a legenda indique um vice na chapa de Paes. A vaga é vista como estratégica já que há a expectativa que, em caso de mais um vitória, ele deixe o posto para disputar uma cargo majoritário em 2026.