Após Gabriel Monteiro, vereadores do Rio estão proibidos de monetizar conteúdos na internet

Gabriel Monteiro
Gabriel Monteiro
  • Vereadores do Rio estão proibidos de monetizar conteúdos na internet

  • Para autores do projeto, transformar funções parlamentares em ganhos financeiros “foge à ética e à moral do fazer público”

  • Vereador Gabriel Monteiro é acusado de aliciação, abuso e assédio sexual de menores de idade

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro promulgou nesta quarta-feira (4) a emenda à Lei Orgânica Municipal, que proíbe os vereadores de monetizar conteúdos na internet que tenham por objeto o exercício da função pública ou que tenham sido produzidos com emprego de recursos públicos.

De acordo com o texto, compreende-se por monetização “a remuneração paga conforme a visualização e cliques nos anúncios veiculados nos vídeos e/ou postagens nas plataformas e redes sociais”.

Isso porque, para autores do projeto, transformar as funções parlamentares, obrigações e prerrogativas do vereador em ganhos financeiros “foge à ética e à moral do fazer público”.

De acordo com o jornal Extra, na reunião do Conselho de Ética, onde foi decidido abrir uma representação contra Gabriel Monteiro (PL) por falta de decoro, também chegaram a conclusão de que era necessário delimitar a atuação dos vereadores nas mídias sociais.

O parlamentar é acusado de aliciação, abuso e assédio sexual de menores de idade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos