#Verificamos: É falso que multinacional francesa tenha relação com vazamento de petróleo no Nordeste

Reprodução

por Chico Marés

Circula nas redes sociais um vídeo em que voluntários na limpeza das praias atingidas por petróleo no Nordeste encontram um saco da multinacional francesa Mapa Professionnel cheio desse material. A legenda diz que isso provaria a hipótese de ecoterrorismo como motivo dos vazamentos de óleo na região. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

Reprodução

“E agora Lacron…???? Sacos plásticos contendo óleo acabaram de ser encontrados nas praias de Pernambuco, e pertencem a Multinacional Francesa MAPA. A cada dia mais a possibilidade de Ecoterrorismo vem se confirmando”
Legenda de vídeo publicado nas redes sociais que, até as 16h15 do dia 25 de outubro de 2019, tinha sido compartilhado por mais de 500 pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Embora sacos plásticos da empresa Mapa Professionnel tenham sido encontrados com petróleo na praia de Itapuama, no Cabo de Santo Agostinho, a empresa não tem qualquer relação com o vazamento. Segundo a Marinha, a ocorrência “não é um elemento de investigação”. “O material citado era uma embalagem de luvas de proteção que foi reutilizada para colocar os resíduos”, diz nota publicada pelo Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), responsável pelas investigações do caso.

A empresa Mapa Professionnel não produz ou vende petróleo, e sim luvas de proteção. Segundo a Marinha, alguns voluntários estavam usando luvas da empresa durante ações de limpeza das praias, e reaproveitaram as embalagens como lixo. Ou seja, a empresa não tem relação com os vazamentos e os sacos plásticos não chegaram à praia pelo mar.

O vídeo utilizado nesse conteúdo desinformativo é um trecho da edição de segunda-feira do programa Por Dentro com Cardinot, exibido pela TV Jornal, afiliada do SBT no Recife (PE).

Essa informação também foi verificada pelos sites Boatos.orgFato ou Fake e Aos Fatos.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook