Às vésperas da Copa, deputada recomenda que mulheres russas não façam sexo com estrangeiros

Tamara é deputada na Rússia. Foto: Getty Images

“Não façam sexo com estrangeiros”. Essa foi a recomendação às mulheres russas feita hoje (13), véspera do início da Copa do Mundo, pela chefa do Comitê da Família, das Mulheres e das Crianças do Congresso de Deputados da Rússia, Tamara Pletnyova.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Em uma entrevista para um rádio russa, Pletnyova disse que é importante fazer esse alerta às russas porque elas podem acabar engravidando de estrangeiros, depois os homens voltarão para os seus países e elas serão mãe solteiras.

“Essas crianças (de mães solteiras) sofrem e sofreram, desde os tempos soviéticos”, explicou. Ela afirmou que houve um aumento de mãe solteiras no país depois da Olimpíada de 1980 em Moscou,

A parlamentar também sugeriu que, se a mulher russa engravidar de um estrangeiro, pelo menos que o pai seja da mesma raça da mãe russa. Em outras palavras: que seja branco.

Leia também:
Moradores de Teresina pintam rua com as cores da Argentina
Comissão de arbitragem da Fifa instrui árbitros a deixarem decisões difíceis para o VAR
FIFA define que Copa de 2026 será nos EUA, Canadá e México

“Se o pai for de outro raça, é ainda pior. Nós temos que dar à luz os nossos próprios filhos. Eu não sou nacionalista, mas mesmo assim. Eu sei que as crianças também sofrem, e então elas são abandonadas e ficam aqui com a mãe”.

Pletnyova enfatizou que essas mulheres que engravidam de estrangeiros chegam ao gabinete onde ela trabalha, chorando e dizendo que o pai da criança levou o filho embora, para outro país. Ela diz ainda que as mulheres russas deveriam se casar com homens russos e “construir uma boa família, viver em harmonia, ter filhos e educá-los”.

A assessora de imprensa da parlamentar preferiu não comentar as declarações. Pletnyova é membro do Partido Comunista da Federação Russa.

Resta saber como evitar o clima de paquera entre russas e estrangeiros durante a Copa. A recomendação da deputada foi apenas às mulheres russas e não se estendeu aos homens russos.