Vice de Bolsonaro diz que país herdou ócio dos índios e malandragem dos negros

Renato S. Cerqueira/Futura Press
Renato S. Cerqueira/Futura Press

Candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), o general Hamilton Mourão (PRTB) afirmou que o Brasil herdou a “indolência da cultura indígena” e a “malandragem” dos africanos. Em reunião da Câmara de Indústria e Comércio (CIC) de Caxias do Sul (RS), na última segunda-feira (6), ele inseriu os comentários em uma fala sobre as questões políticas e sociais no continente e, ao se dirigir a um vereador negro, alegou: “Nada contra”. A informação é da revista Veja.

“Temos uma herança cultural, uma herança que tem muita gente que gosta do privilégio. Mas existe uma tendência ao camarada querer aquele privilégio para ele. Não pode ser assim. Essa herança do privilégio é uma herança ibérica. Temos uma certa herança da indolência, que vem da cultura indígena. Eu sou indígena. Meu pai é amazonense”, afirmou o general em seu primeiro evento público como candidato a vice.

O restante da fala, que tratou sobre afrodescendentes, foi adereçada ao vereador de Caxias do Sul, Edson da Rosa (MDB), único negro presente na mesa.

“E a malandragem, Edson Rosa, nada contra, mas a malandragem é oriunda do africano. Então, esse é o nosso caldinho cultural. Infelizmente gostamos de mártires, líderes populistas e dos macunaímas”, acrescentou.